24.9.08

Eu sou adepto do Buffett

Esta frase, que poderia ser proferida por qualquer parasita social que faça parte do chamado jetset nacional, tem aqui outro contexto. Não se trata portanto de croquetes, empadas, shots de sopa (para quando um bar da especialidade em Santos?) ou qualquer outro nenúfar de alface mascarado de alimento distribuído em ambiente de festa.
Refiro-me a um senhor chamado Warren Buffett que, entre muitas outras coisas, se diverte a ser bilionário. Ora, até aqui nada de novo, artistas com olho para o negócio que se divertem a atafulhar dinheiro lá para os Estados Unidos é coisa tradicional desde o Rockefeller ao JP Getty. Nem vou questionar o tipo de negócios a que o senhor se dedica ou se afogou cem mil criancinhas vietnamitas num ritual para atrair fortuna.

O que em mim me fascina, há já algum tempo, no Sôr Buffett é que um dia olhou para a sua fortuna, avaliada em cerca de 60 biliões e, antes que dissessem que estava gagá ou que casasse com alguma mamalhuda de poucos escrúpulos, disse “Epá, esta merda é dinheiro a mais” e resolveu fazer alguma coisa acerca disso.

De facto, no que a riqueza diz respeito (e talvez em muitos outros campos da natureza humana) é difícil encontrar quem saiba reconhecer os seus limites. O tio Buffett, talvez um iluminado ou apenas um anormal com um laivo de inspiração resolveu doar 83% da sua fortuna a uma fundação para que a coisa fosse canalizada para melhores caminhos.

Tudo bem, a fundação era do Bill Gates, rapaz que também já deve ter as suas contas pagas para as próximas 38774 encarnações, mas isso é secundário. É saber reconhecer que é humanamente impossível gastar esse dinheiro todo e não deixar a questão para depois de morto. É garantir que a família fica com alguma coisa (17% de 60 biliões ainda são uns trocos) suficiente para nunca mais se preocupar, mas prevenindo o desbaratamento de algo conseguido por trabalho e mérito e não por simples herança.

Por mim, acho isso deveras inteligente. Anormais filhos de ricos é coisa que não falta neste planeta. Gajos como o Buffett escasseiam muito mais. E garanto-vos, anseio pela oportunidade de fazer o mesmo e, de momento, embora não o possa fazer com dinheiro, vou doando o meu património de alarvidades a quem o queira ler. E não vos vejo a agradecer, meus bandalhos.

11 comentários:

  1. obrigada =)

    cátia

    ResponderEliminar
  2. e mais doou a outro rico... e homem que n se importa com a lista da Forbes

    ResponderEliminar
  3. perdão.
    estou muito agradecida. e sinto-me afortunada.

    ResponderEliminar
  4. Se trabalhasses numa Fundação é que ias ver, engolias este post inteiro...

    ResponderEliminar
  5. Eu agradecia se fosse uns 10 milhões para a minha conta!
    Isso sim! Era de louvar...

    Bjos

    ResponderEliminar
  6. Ou doação ou colapso do sistema financeiro. Provavelmente ele acabou de salvar milhões de empregos :)

    ResponderEliminar
  7. Buffet? Prefiro óleo can eat.

    ResponderEliminar
  8. @ Cátia - De nada

    @ tip toes - F****, c**** o que te levou a dizer isso?

    @ sa - Exacto, ele não é como aqueles casos em que "Nem Forbes, nem sais de cima"

    @ lady - Lá está, uma mulher visionária

    @ macaca - Pois então fica sabendo que mais vale gostar de um pasteleiro com massa do que de massa de pasteleiro...

    @ Sff - Tens uma fasquia alta demais para mim. Eu, se me safar numa Fundição já é uma festa...

    @ pepper - É Buffett mas não é à discrição, por isso, põe-te na fila :p

    @ gui - é a prova de que afinal há vida inteligente na Terra

    @ cat - Quer messe?

    ResponderEliminar
  9. Buffett, e esta hein? Gosto sim senhora...

    Ó Mak, não tenhas nau feitio, quer gostes ou não (i.e., quer gostemos ou não) lá vamos comendo os teus hamburguers de aleivosidades, tenta é tirar as patinhas das ratazanas, prendem-se nos dentes.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.