23.9.08

Dia Europeu sem tangas

Ontem, dia 22 de Setembro, celebrou-se o Dia Europeu sem Carros. Lisboa rejubilou com o encerramento parcial de algumas ruas na Baixa, duas vielas na Serafina e um beco em Marvila, naquele que foi o encerramento da Semana Europeia da Mobilidade.

Então e se se mobilizassem todos para o fundo do rio abraçados a blocos de cimento? É que, se algumas das acções do programa me parecem interessantes, quem tivesse lido o dito cujo parecia que na capital e arredores se anda a partir carros à marretada em prol de um ambiente melhor. E não é isso que se passa, antes pelo contrário. Aliás, se perguntarmos à malta que anda à solta por Lisboa se deu pelos efeitos do estrondoso Dia Europeu sem Carros, 85% vai responder: “O que quer dizer - sem carros?”

Dia sem Carros a sério houve uma vez, no primeiro ano desta iniciativa, creio que em 2000. Aí, a cidade de Lisboa viu o que era ter a circulação reduzida em cerca 70% nas suas vias centrais e os resultados foram contraditórios. Boa parte da população clamou que depois do terramoto de 1825 (História, essa disciplina sempre tão maltratada) nunca se tinha visto tanto prejuízo, destruição e histerismo. Gajos como eu, andaram satisfeitos pela rua, insultando apenas o taxista ocasional e suspirando pelo dia em que uma catástrofe simpática torne algumas ruas intrasitáveis.

Depois disso, tudo voltou a ser...o mesmo. Reduziu-se a iniciativa cada vez mais a um papel decorativo, sendo que hoje em dia é apenas uma boa bandeira para inglês ver. Eu percebo, é difícil a malta custa-lhe a subir colinas de bicicleta e a rede de transportes ainda parece, muitas vezes, saída de um livro de anedotas do António Sala. Mas, se é assim, não encerrem rua nenhuma, não atirem poeira para os olhos da malta e não me façam programas que vendem Lisboa como uma cidade verde.
E, por falar em verde, vão mas é pastar mais os eventos de fachada e os histerismos colectivos.

6 comentários:

  1. E o título deste post não é publicidade enganosa? :)

    ResponderEliminar
  2. o dia europeu sem carros já e uma especie de dia da mulher.
    Rídiculo e até chateia!

    ResponderEliminar
  3. Não seja tão pessimista. Se não existisse este dia, não poderia publicar este post com um titulo bem engraçado.
    E já conhece os cursos de condução de bicicleta em meio urbano? Recomendo http://www.cenasapedal.com/

    ResponderEliminar
  4. @ amc - Fico ofendido por chamares a isto publicidade. Isso sim, é enganoso...

    @ sa - o dia da mulher ainda dá alegria a floristas por portugal inteiro. Já no dia sem carros...

    @ rh - Eu era um entusiasta da bicicleta, tal como sou do desporto em geral. Até descobrir que as ciclovias dentro de Lisboa eram aulas de tiro aos pratos para os taxistas. Isto para não falar da ciclovia do Campo Grande, que em Telheiras termina no meio do nada...

    ResponderEliminar
  5. No outro dia fiz um curso de caminhada defensiva...

    ResponderEliminar
  6. Eu fui de comboio. E depois andei mais meia hora a pé. Aposto que o ambiente me agradece... Ou não.
    Mas agradece o meu rabo. E isso é óptimo.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.