14.8.08

Dá cá um Beijing, dá cá, dá cá

Uma vez mais esta actualização vem atrasada mas, compreendam-me, entre provas de canoagem, ginástica, luta greco-romana e de vinhos é fácil uma pessoa desnortear-se. Aproveito então a ocasião para terminar a minha análise aos comentadores olímpicos, sempre a anos luz do mítico Gabriel Alves, mas com um brilho muito próprio:

O Tecnicista – Para este comentador, fazer um dicionário sobre a sua modalidade favorita seria coisa fácil. Mais ainda se só se incluissem termos que os espectadores não compreendem. Utilizando um dialecto muito próprio que vai do ginastiquês, ao judoquês, passando pelo badmintoniano, os seus comentários são perceptíveis por cerca de 0.2% da população, composta pelos praticantes e ex-praticantes da modalidade que não sofram de Alzheimer ou falta de pachorra. A sua missão não é tornar o comentário compreensível ao comum mortal, é tornar o nome de um qualquer atleta do Cazaquistão ou da Indonésia a parte mais compreensível de uma frase.

O Intimista – Para bem comentar é preciso conhecer bem os atletas em provas e se há alguém que os conhece é este comentador. Desde pormenores sobre marcas no corpo, às habilitações académicas (incluindo cadeiras em atraso) este profissional está bem informado. Saber que um atleta gosta de gelados é coisa de criança, saber de que sabores gosta e quais os toppings favoritos isso sim é informação relevante. Além disso, tratar o atleta pelo apelido é prova de um distanciamento pouco recomendável para quem está em cima da modalidade. O Sven, a Katrina, o James são resultado de longos períodos de convívio que às vezes se traduzem em cinco segundos na fila de espera para o WC na aldeia olímpica. A este comentador não interessam as medalhas. Valia muito mais ser padrinho de casamento daquele remador norueguês.

O Comentador de Serviço – A este calhou-lhe a fava. Todos os especialistas estavam de férias e ele, que era o último a escolher, tem de trabalhar no mês de Agosto. Habituado a comentar pelota basca, vê-se agora na contingência de ter um convidade e ter de parecer que até percebe de atletismo ou de basquetebol. Não há fora de jogo no basket? Não interessa, serve de apontamento humorístico. O atleta finlandês afinal é queniano? Pronto, o bronzeado engana as pessoas. A prova ainda não acabou agora? Epá, mas devia que eu ainda quero ir meter uma bucha antes do serviço da tarde. Mesmo sem saber, ele serve o ideal olímpico, pois vai sempre mais alto, mais longe, mais forte, nem que seja pelo simples facto de não saber qual é a medida certa.

E em termos de Jogos Olímpicos creio que vou fazer como a prestação de delegação portuguesa até ao momento ou seja, continuar a ver os melhores passarem-me à frente dos olhos.

7 comentários:

  1. Só erros ortográficos!

    Os JO's estão a dar cabo de ti!

    ResponderEliminar
  2. Realmente, nem parece teu...diria mesmo que de tanto veres os JO's já tens os olhos em bico...

    ResponderEliminar
  3. Em nome do bom português corrigi, mas há que assumir:

    3 Gralhas - 2 Plurais trocados por singular e 1 uma troca de letra para dialecto algarvio (convidade)

    contigê(n)cia - teclar demasiado rápido e falta de tempo para rever dá nisto.

    à vs há fora de jogo - Rescrita da frase, deu cócó. É erro, mas ai de mim se não soubesse aplicar a coisa...

    Creio terem sido estes, se houver mais alguma coisa que se faça referência. Se há coisa que abomino são herros orturográficos e não há desculpa olímpica que os valha. Além disso, o meu ego aguenta, não é preciso recorrer ao anonimato. Eu é que agradeço :)

    ResponderEliminar
  4. Sendo brasileira e morando no Brasil, aqui a taxonomia aplica-se à perfeição.

    ResponderEliminar
  5. Simplesmente genial...mas já agora sabes dizer-me a q horas é a prova dos vinhos? Gostava de lá dar um saltinho...

    ResponderEliminar
  6. Quanto aos comentadores faz como eu, põe o som off e liga a música! :)
    Ou então não! Ouve-os até à exaustão para poderes ter ideias para mais posts! Vais arranjar pérolas!!! :)

    ResponderEliminar
  7. Há ainda a referir o facto de quase todos os comentadores se inserirem numa grande família, que são 'os parvos'...:) E como modalidade olímpica nesta área tens as cambalhotas que eles dão para explicarem no fim porque é que as coisas correram exactamente ao contrário do que eles tinham previsto...:)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.