1.7.08

Degusta São

Dou por mim, quase sempre a meio do dia, a pensar onde vou almoçar. Trabalhando no centro de Lisboa, a solução centros comerciais é sempre fácil e o resultado é quase sempre o mesmo. Como tal, evito-a sempre que posso, tirando se não for eu a pagar. Aí, como bom português o que a pessoa que paga escolher está óptimo.
Mas, o que tenho verificado, quando procuro sítio para encher o bandulho, é que começam as escassear os restaurantes corriqueiros de nome típico ou tradicional.

Cada vez mais a preocupação com a alimentação se confunde com o nome que dás ao teu boteco. Epá não podemos chamar Cantinho da Alice porque as pessoas vão pensar que só servimos bacalhau, dobrada e febras. Chamemos-lhe antes Spice’s Corner e assim servimos tranches de lombo de bacalhau com petit pomme de terre, cous cous de grão e especiarias ou miminhos de porco em cama de folhado de arroz.

Não sei se é isso que atrai a malta trendy empresarial, mas saindo do registo de tasca, nem as típicas foleiradas KomeAki ou PaparoKa parecem ser rivais para a febre dos nomes requintados e muito aspiracionais que muitas vezes revelam mais preocupação com a estética do que com o conteúdo do prato.

Essencialmente, lido bem com a era da imagem em que vivemos, em que mais vale parecer bom do que ser bom, desde que não me lixem a hora da refeição. Por isso, se és um jovem empresário na área da restauração e estás a olhar deliciado para a placa que diz Moods & Foods põe a trampa da placa no lixo e preocupa-te mas é em ter uma ementa com qualidade. E olha que deixares o nome da tua mãezinha na placa não é vergonha nenhuma.

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Não é vergonha nenhuma? Olha que nomes como "No tacho da Natacha", "Ao gosto da Augusta", "A Tenda da Ausenda" tb não me convencem...

    ResponderEliminar
  3. Hum, cheira-me aqui a fã do Go Natural, dos Smooths da vida e afins. Até aí tudo bem, mas n renegues a Natacha alheira.

    ResponderEliminar
  4. Nada tenho contra o Go Natural Mak, apenas tenho contra o facto de não existirem fora de superfícies comerciais. Quando vivi no estrangeiro (sim porque eu sou uma pessoa viajada)habituei-me a comprar comida nesses sítios amaricados de nome e a colocá-la num saco até ao banco de jardim mais próximo e ainda hoje utilizo essa estratégia com muita frequência: Compra-se uns tomatinhos cereja, um wrap de salmão, remata-se com um cadbury fruit and nut e já está!

    ResponderEliminar
  5. Basicamente sou fã de tudo o que seja para morfar, pois sou um bom garfo. Quem me tira uma boa dobrada, tira-me tudo, essa é que é a verdade...Mas falando em Go Natural, sempre que vou ao estrangeiro vou ao Pret-a-Manger que, apesar de ser tão ou mais caro, sempre é melhorzinho...

    ResponderEliminar
  6. Hmm, chega-me aqui o cheiro a post revoltoso (mas antes isso que o intragável cheiro das deliciosas sardinhas assadas). Já percebi que o rapaz mau fica com os azeites quando (se) trata de assuntos que dizem respeito ao estômago. Também ficas de birra quando tens fome?

    ResponderEliminar
  7. Não respondo, estou amuado pq n comi um doce ao pequeno almoço...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.