23.6.08

Muro das satisfações



É verdade, estou de volta. Pensei sinceramente que sobreviviam mais de cinco dias sem mim mas, depois de verificar que haviam camionistas a fazer bloqueios na estrada, que as gasolineiras aumentavam os preços de embarda em sinal de protesto, que o Ronaldo ameçava tentar falar castelhano e que a selecção portuguesa ficou tão afectada que abandonou o Euro antes de tempo, resolvi acabar este pequeno interregno veraneante. Assim, se esta bandalheira continuar, pelo menos não me podem culpar a mim.
No entanto, resolvi aguardar uns dias antes de publicar este post pro-germânico, para deixar acalmar os cromos da bola. Essa sensatez só prova que a minha passagem por Berlim me deu novas perspectivas sobre muitas coisas, como por exemplo:

- Eles criaram as bolas, nós aperfeiçoámos a coisa. De facto, a bola de Berlim em Berlim não tem o mesmo encanto que a Bola de Berlim na Costa da Caparica. Podem mudar-lhe a cobertura, o recheio, mas falta-lhes o sol para lhe dar aquele toque gostoso, que faz a ASAE levar as mãos à cabeça.

- Seria de pensar que, entre um povo que levou pancada da grossa em duas Guerras Mundiais e numa cidade fatiada durante perto de 30 anos (coisas que convenhamos são ligeiramente piores do que ficar chateado quando o nosso clube perde), conseguisse descortinar aquela frieza que dizem ser típica do povo alemão. Nem vê-la, gente simpática e prestável por todo o lado (mesmo que respondessem em alemão a perguntas feitas em inglês), de tal modo que por uns dias até me senti como se fosse um estrangeiro no Algarve.

- Metro sem torniquetes – Nós evoluímos na tecnologia, eles evoluiram na sociedade. Coisa inconcebível por estas bandas, confiar que as pessoas compram os bilhetes, sem ter que pôr torniquetes, cancelas, sistemas de prevenção, etc. Não vi um revisor uma única vez, mas ao que parece os berlinenses acreditam que só têm a ganhar se pagarem, em vez de serem trafulhas. Faz sentido, a rede de transportes deles é um luxo, em termos de eficiência. Pelo sim, pelo não, como bom português que sou descobri um esquema lucrativo: a multa por viajar sem bilhete é cerca de 60€, a denúncia de alguém que viaje pode dar uma recompensa até 500€. O resto do esquema, partindo do princípio de que são duas pessoas é fácil…

- Custo de vida – Vendo o custo de vida em Berlim, a ideia de que é em Lisboa que se vive muito a custo sai reforçada. Uma casa no centro da cidade é mais barata do que em Lisboa (e não estamos a falar de uma barraca forrada a pacotes de leite), quer em termos de arrendamento, quer de compra. O preçário de restaurantes, desde o mais gourmet para o turista à roulotte das Bratwursts é mais barato. As compras de supermercado são ligeiramente mais caras, mas apenas em certos artigos, isto ao nível de bens essenciais. Não cheguei à parte do Tide e da cinta ergonómica, fica para uma próxima oportunidade. Consegui bater o meu recorde na relação preço-quantidade em visitas a museus. Para além de um dia em que os museus estão abertos até às 22h (sim, dez da noite) e a partir das 18h são à borla, a zona onde estão alguns dos principais museus disponibiliza um passe combinado de 12€= 6 museus. É overdose, mas é em conta. Por cá, não consegui ainda descobrir oferta semelhante, até porque como trabalho tenho dificuldade em, primeiro que tudo, encontrar museus abertos.

(continua, com temas tão interessantes como, prostituição de rua, velhos em Berlin, Low costs fazem mal à vista)

Sons do Muro (Porque com uma banda chamada Berlin estavam a pedi-las) Berlin, Take my breath away

5 comentários:

  1. Fiquei com vontade de me mudar para Berlim, ainda que as bolas sejam mais apetitosas por cá. Só preciso me falta mesmo é indagar essa história do preço do Tide...

    ResponderEliminar
  2. (risca lá aquele 'preciso' dali de cima, sff)

    ResponderEliminar
  3. AS gralhas estão em via de extinção, não quero ser eu a contribuir para abater mais umas ;)

    ResponderEliminar
  4. N�o tem bolas de berlim t�o boas, mas tem ApfelStruedel ou Mohnkekse... mto bons tamb�m!Lol! Berlim � encantadora, nem que seja apenas pela harmonia do conv�vio entre as fachadas do passado e o moderno... e tudo o mais que tamb�m enumeraste:) Belo passeio:)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.