24.4.08

Vamos deixar o 25 de Abril para amanhã

Numa semana em fui vitima da ditadura do patronato, algo que me impediu de debitar disparates com a regularidade desejada, deixo-vos um pensamento para a viagem que certamente estão a começar rumo a um fim de semana alargado em Armação de Pêra, Quarteira ou talvez Póvoa de Santo Adrião.

O 25 de Abril de 1974 deu-se a uma 5a feira. Foi a nossa sorte. Será que se tivessem esperado mais um dia, entretanto metia-se a 6a feira, há sempre quem tenha de sair mais cedo porque vai para fora ou tenha um jantar, era capaz de não dar jeito.

Depois, ao fim de semana é que não ia dar de certeza. Se uma pessoa não aproveita estes dias para descansar mais um bocado, depois chega ao início da semana sem energia. Como tal, até era melhor deixar para 2a, que era para começar uma nova semana com uma revolução cheia de energia. Isto é o que se pensaria no sábado.

Depois chegaria o domingo. Só havendo a RTP, de certeza não ia estar a dar nada de jeito na televisão. Ora em Abril ainda não era altura de Jogos Olímpicos, nem do Mundial da Bola na Alemanha. Ainda bem que falei em bola, porque nessa altura era certamente um programa para a família que não implicava gastar metade do orçamento. Ainda por cima o Benfica ganhava com mais regularidade, o que significa que havia menos mulheres a precisarem de cuidados médicos na 2a.

Mas, enquanto se estava na bola, aproveitava-se o intervalo para comer uma queijada de Sintra, cujo vendedor era ainda um jovem em início de carreira, que visava ser dono de uma roulotte de bifanas num futuro próximo. Demorou 34 anos, mas conseguiu-o, à custa de muito trabalho, suor, a maior parte do cabelo e a capacidade de conjugar a maior parte dos verbos correctamente.

Nesse intervalo, olhava-se para o céu e viam-se algumas nuvens. A sabedoria popular, que era das poucas coisas que a PIDE não proibia, lembrava logo o ditado "Em Abril, águas mil". E isso era chato, para quem queria começar uma revolução logo à 2a feira. Talvez fosse melhor para 3a, depois de ver como estava o tempo na 2a. Boa ideia, sim porque os revolucionários normalmente são gente com boas ideias.

Não preciso de continuar para perceberem porque é que temos o 25 e não o 26 de Abril. Mas, por outro lado, será que temos o 25 de Abril, porque não tivemos o 18 ou o 11, por razões bastante semelhantes? Ou será que já se andava a adiar a coisa desde Março?

Dúvidas importantes se levantam. Tal como eu, que vou andando para o fim de semana de três dias. Adeuzinho e fiquem bem.


Sons da revolução por água abaixo - PJ Harvey, Down by the water

2 comentários:

  1. Pelo menos se estiveres com a tua família numerosa no aeroporto desta vez já não tenho de levar a foto do Kinder para te poder reconhecer!

    ResponderEliminar
  2. Além do mais, estes gajos do 25/4 de burros não tinham nada. COm a revolução, toca a comemorar o dia 1 de Maio, dia do trabalhador, outra vez, que por sinal calhou a uma quarta-feira...mesmo bom para fazer um break na semana para retemperar forças.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.