16.10.07

Aturar o próximo




O que eu mais gosto nas pessoas é o facto de, traço geral, não se poder confiar nelas. Aumenta a imprevisibilidade e afasta o marasmo, além de fazer com que tenhamos sempre motivo para nos entretermos a ver as suas movimentações. Eis um simples exemplo que, numa escala mínima, nos deixa ver as possibilidades oferecidas por um confronto com um invertebrado social:
Estava eu a caminho do burgo profissional, quando vejo alguém muito sábio e douto a comentar algo que por acaso tinha a ver com o que faço para ganhar a vida (para além de acartar caixotes de fruta no MARL). Vi logo, pelo início da conversa, que percebia tanto daquilo, como eu de gramática vietnamita. Calmamente, deixei-a cavar a sua sepultura temática enquanto o seu ouvinte mostrava espanto por tanta sapiência, até que achei que era hora de intervir, coisa que faço raramente, pois apoio a máxima do Jardim Zoológico de não alimentar os animais.
Aproveitando uma pergunta retórica do orador, disparei uma intervenção flecha à testa do mesmo, mantendo o ar inocente que uma barba de três dias permite. O comentário foi simples, mas chegou para fazer vacilar a personagem que reagiu com o toque tradicional de quem pretende defender a sua honra, mesmo não sabendo como.
- Como é que você sabe isso?
A questão nasceu possivelmente da sua observação rápida à minha pessoa. É que ainda se avalia muito as pessoas pela indumentária e eu, que estou dispensado de usar fato, camisa, máquina de barbear e afins no meu dia à dia, devo ter parecido um ET a questionar um humano sobre os hábitos terrestres. Mas, o segundo golpe ia a caminho:
- Fácil. Fui eu que fiz.
O adversário vacila e cai ao tapete.
O combate parece estar decidido.
Eis quando, o terceiro elemento, o tal que ouvia a palestra do artista agora KO, decide intervir. E, curiosamente defende o campeão vencido, mostrando o seu desagrado pelas pessoas que sabem tudo, mas apontando a arma na direcção errada – a minha.
Apesar de tudo, saí dali satisfeito, com mais uma moral da história para partilhar. Ninguém gosta de um sabichão, mas quase toda a gente adora um imbecil.

15 comentários:

  1. catarino™16/10/07, 12:49

    Tungas!

    Mais um ponto pró País dos Males

    ResponderEliminar
  2. Por outro lado, há quem goste de (sa)bichonas ;)

    Só acho injusto não desvendares o tema...

    ResponderEliminar
  3. Eu gosto de craneos e sabichoes!Adoro homens inteligentes e sabichoes e mauzoes,ligados a logica filosofica tb!

    :D Ana Luiz

    ResponderEliminar
  4. Eu gosto de homens mesmo homens! meninos, nem dou por eles! :) por isso so me resta esperar que eles cresçam! :D aL

    ResponderEliminar
  5. Por falar em imbecis, cá está ela mais uma vez...

    ResponderEliminar
  6. @ Ó Catarino - pontuação aqui só gramatical e mesmo essa...

    @ bem visto - Manter o mistério é fazer com que esta história tenha interesse mínimo. Dizer que, por exemplo, se estava a discutir Maçã Starking em relação a Granny Smith, a coisa não tinha tanta graça...

    Para a geral - Behave.

    ResponderEliminar
  7. nao percebi, a minha imbecilidade, nao me deixa ver ou antes tolda-me. felizmente nao sou perfeita, nao espero que os outros sejam perfeitos.

    gosto pouco de comparacoes, ate porque ha coisas incomparaveis, felizmente.

    ResponderEliminar
  8. pronto, pesso desculpa agora ee que comeco a ficar seca, sou assim, completamente seca. entao quando fico aziada e com mau feitio. os homens sao todos iguais, uns mais que outros.

    felizmente eu tenho muito com que ocupar a cabeça, porque o meu curso eee dificil e nao ee para todos, embora todos tentem, nem todos chegam ao fim. um abraco pra proxima ha mais do mesmo.

    seca, azeda e com mau feitio. sim os homens pessam que com meia duzia de palavras que levam uma pessoa na conversa deles, tem a lata de nos dar a intender que nos eee que nos temos de fazer, tabem, espere sentado este, pork ha muitos homens por ai.

    ResponderEliminar
  9. engano por muito tempo. pensava que quem escrevia aqui se chamava rogerio. afinal enganei-me. alem de muitas coisas que me andam aziar, muitas coisas e coisos.

    gostava de me retirar deste blog, mas o que leio eee bom! da-me vontade de rir e faz-me pensar, o que ee bom!

    AL esclarecida e completamente com vontade de partir a cabeça com uma anel de tia de cascais!

    ResponderEliminar
  10. Aleluia. A história do Rogério andava a deixar-me confusa. Cheguei até a aumentar a dose de anti-histamínicos para a depressão!

    ResponderEliminar
  11. Há uma coisa que me irrita solenemente. É o facto de continuarem a insistir que aqui se escreve...

    ResponderEliminar
  12. AL, se quiseres arranjo-te um anel desses rapidamente...

    ResponderEliminar
  13. tou demasiado bem disposta para precisar de aneis ou outras coisas que pertencam a outreem...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.