10.9.07

Saudosismo a quanto obrigas

Desenganem-se aqueles que pensam (ambos os dois) que este post vai ser um chorrilho de amargura sobre o muito que me diverti nas férias e de como é triste deixar isso tudo para trás e voltar a uma vida árdua de trabalho. Para já, árduo e trabalho são conceitos que não combinam com o meu estilo de vida, depois sempre que quiser voltar aos dias de glória das férias existe algo a que se chama “baixa fraudulenta” e, finalmente as saudades em mim pulsam muito mais em relação a outro tipo de coisas, como por exemplo:

- Tenho saudades dos tempos em que se falava sobre crianças portuguesas que desapareciam ou sofriam maus tratos. É que pelo que leio e oiço, nos últimos meses só aconteceu isso a uma criança em Portugal, por sinal inglesa.

- Tenho saudades do tempo em que haviam futebolistas com bigode no nosso pais. Felizmente, para quem já não viveu essa época, existe a RTP Memória para comprovar que bigodes e chuteiras caminharam juntos algures na história da nossa pátria.

- Tenho saudades dos tempos em que podia atravessar as ruas sem ser interpelado por 328 distribuidores de jornais gratuitos e por promotores que me oferecem, tudo de iogurtes a cortadores de relva. Além do mais, creio que essa gente terá afugentado os HELDER’s e os velhotes com a Palavra do Senhor das principais artérias da cidade, personagens que tanto me divertia judiar.

- Tenho saudades dos tempos em que a maioria das pessoas (reparem que são pessoas, não actores) que entravam nas novelas portuguesas não eram jovens modelos, jovens aspirantes a modelos, carinhas bonitas que podiam ser modelos, ex-modelos, ex-aspirantes a modelos, jovens que não sabem o que é ser modelo, mas acham piada aquela coisa de tirar fotos e aparecer em revistas and soi on. O resultado continuava a ser igualmente mau, mas assim aborrecia-me menos a plasticidade da coisa.

- No mesmo registo, tenho saudades dos tempos em ligava a TV num canal de música e via gente feia a cantar bem. Pelos vistos, salvo muito raras excepções, é lógico concluir que já só há gente bonita com estilo com talentos vocais.

- Finalmente, porque já estou lavado em lágrimas, tenho saudades do tempo em que este blog tinha alguma qualidade. Já deve ter sido há uns tempos valente, porque não me consigo lembrar minimamente dessa altura...

A rodar, só para provar que também tenho sentimentos – Barbra Streisand - The Way We Were

6 comentários:

  1. Opá... o belo do Fernando Chalana... já não se fazem como ele!

    ResponderEliminar
  2. Tenho saudades dos tempos em que estilo era usar a T-Shirt para fora das calças, ténis e cabelo despenteado (visual à Xutos)! Hoje em dia é só gel às carradas, sapatinho e camisinha... :S :S

    ResponderEliminar
  3. @ aisling: onde é que se podem encontrar geograficamente esses cabelos cheios de gel?! É que eu cruzo-me com muito fato e gravata, muita saia e casaco, um ou outro cabelo mal lavado, outro cheio de óleo, outros com forte alopécia, mas nada de gel...

    ResponderEliminar
  4. o gel agora é mais para a malta ficar um misto de Sandoku (acho q é assim q se escreve, se não fôr perdoem-me os fãs do Dragon Ball a b c d... z) e os porcos espinhos. Juntem-lhe uns óculos escuros à noite e um carro kitado e aí têm o retrato do novo adepto do gel. Podem encontrá-los na ponte Vasco da Gama nas madrugadas do fim de semana.

    ResponderEliminar
  5. não fosse barbara streisand um palavrão e tb a punha no meu blog. é que esta musiquinha, tal qual o saudosismo de mak, é de me lavar em lágrimas, e chorar é coisa que alivia, tal como matar saudades.

    ResponderEliminar
  6. Eu assinava em baixo na vinda do Chalana, se bem q ele ressuscitou o ano passado, mas este ano creio que não teremos a mesma sorte.

    Assino em baixo no absurdo das crianças maltratadas - ainda por cima temos q dividir os exclusivos com a imprensa mundial. (Não sou capaz de escrever a barbaridade seguinte, calo-me já!)

    Assino petição extinguir os distribuidores de jormais gratuitos. Devem ter sido treinados nos jogos sem fronteiras...(o de hoje abriu a porta de um jipe, q n tinha janela aberta e amandou para lá o jornal. Antes q levasse com o jornal na cara...resolvi estender a mão...e ele diz, não é preciso menina (menina!!!) e amanda o jornal para o meu colo...enquanto quase q salata por cima do meu carro, para chegar ao carro a seguir, antes do Destak (ah, era o metro...dai a velocidade...)

    Bom, saudades...saudades...é de ter 3 m de férias. Isso é que era.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.