26.9.07

Pastelaria fina, asneira da grossa

Pois que este episódio remonta a Domingo passado. Num acesso de burguesismo, laxismo e pseudo-turismo decidi (o meu frigorífico também pode ter ajudado a essa decisão) ir tomar o pequeno almoço a uma esplanada. Comi apenas uns restos de dobrada para não sair de casa sem nada no estômago e pus-me a caminho.
Residindo eu numa zona da cidade em que o número de velhotes e mesas de esplanada em pastelarias finas são quase equivalentes, achei que era desafio suficiente tentar safar-me por ali. Dirigi-me a um dos maiores templos do galão e do bolo de arroz da vizinhança e, por entre montanhas de laca, revistas sociais, jornais “A Bola” e o Borda d’Água consegui vislumbrar uma mesa. Arranquei decidido, mas a dois passos da mesa o imprevisto acontece.
Voando pelo ar surge um saco com os jornais domingueiros que aterra em cima da mesa, num ângulo perfeito, antes que eu tivesse tempo para me aproximar. Olho em volta e vejo, sorrindo com ar vitorioso e um brilho de glória no seu bigode milenar o temível Artur Agostinho, que não só continua a enganar a Morte, como também incautos como eu.
A única coisa boa de ter sido palmado à má fila por um sobrevivente do Período Cenozoico foi ver que a publicidade da Multiópticas não é enganosa, pois só com olho de falcão poderia o Farturas ter atirado o seu saquito com precisão de maneira a deixar-me apeado.
Aprendi assim, da maneira mais dura, que tomar o pequeno almoço numa esplanada ao domingo pode ser complicado e exige técnica e instinto de sobrevivência apurado. Estou a contar com isso para evitar que para a próxima também só consiga uma mesa mesmo ao lado da saída de uma garagem.

4 comentários:

  1. Já estou a ver onde é que moras...:) Agora, é não esquecer que ele foi locutor desportivo muito tempo, e ganhou com certeza alguma habilidade... Ou isso, ou sabes como é que são os idosos e a petanca..;)

    ResponderEliminar
  2. rogerio - aqui nao existe dessas coisas, existe sim pessoas que gastam o unico dinheiro(rendimento minimo) que têm em pequenos almoços nas pastelarias, mas podes-te sentar e ha sempre lugar, velhotes e gajas pseudoboas tb(depende dos teus criterios).

    Rogerio - qual é a probabilidade de eu me apaixonar por uma pessoa da qual quase nada sei, mas do que sei, atee se safa?

    A barrigadelontra na bicicleta eliptica.

    ResponderEliminar
  3. Éclair que ele merecia que lhe partisses a "tíbia"!!

    ResponderEliminar
  4. Para a próxima pede uma pata de veado para ver se tens mais sorte...
    Se morasses no meu subúrbio só levavas com o Tiago Dores no parque com os seus filhos para alegria das crianças que vão gritando "Olha, o gato fedorento". Em tempos idos já fui vizinha do falecido Tony de Matos, mas ele nunca que roubou a mesa.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.