9.7.07

Maravilhoso, maravilhoso, só mesmo o coração na música do Marco Paulo

Sou totalmente a favor de ser do contra, algo que faço com a regularidade que a minha ausência de espinha dorsal permite. Por isso, irritou-me um bocado esta história das Sete Maravilhas, tanto as de Portugal, como as do Mundo e, como sempre, não necessariamente por essa ordem.
Primeiro, nada me faz deixar de pensar que isto foi tudo um belo esquema para alguém encher de forma maravilhosa os bolsos, basta ver por exemplos o valor da “festa” de sábado passado, que certamente dava para pagar a uma transportadora para trazer para cá uma das maravilhas eleitas.
Segundo, se uma das maravilhas da antiguidade ainda subsiste, só se deviam eleger seis e mais nada. Isto das pirâmides passarem a ser uma maravilha honorária é um bocado como aquele gajo que é reformado compulsivamente numa empresa, mas dão-lhe um cargo para ele pensar que ainda é importante. As pirâmides, só por terem resistido à humanidade este tempo todo, deviam ter lugar cativo.
Terceiro, embora ache que deixar à escolha popular o destino das novas sete maravilhas não seja uma grande ideia (vide a maravilha que deu os Grandes Portugueses), traço geral acho que as novas escolhas não são muito chocantes, tirando uma. Creio que o Cristo Redentor, apesar do seu claro valor arquitectónico, simbólico e até religioso não é da mesma liga que as outras seis, tal como por exemplo a Torre Eiffell, a Estátua da Liberdade ou a Ópera de Sidney também não seriam. Daqui a 500 ou mil anos, se ainda lá estiver, tudo bem. Assim, é apenas fruto de uma boa campanha de promoção, do orgulho de um povo (justificado), do apelo religioso ou de isto tudo junto.
Quarto, sete maravilhas de Portugal???? Ó mãe, aqueles meninos também têm, por isso eu também quero. É um bocado isto que isto me faz lembrar, juntamente com o referido no primeiro ponto. Se há coisa que não gosto é a malta que vai sempre atrás do que os outros fazem, tirando é claro no aspecto de cascar nas sete maravilhas. Além disso, ver ao longo de meses cada autarca, velhinha, transeunte ou até ceguinhos a dizer “O meu castelo é que é”, “O meu mosteiro é melhor que o teu” ou “Comparada com a minha, mete a tua torre no...” é um bocado deprimente. Mas pronto, lá ficámos com sete eleitos, para delícia do nosso Portugal.
Quinto, fez-me pena ver que o Ben Kingsley se esqueceu dos óculos para ler e ninguém lhe deu uma abébia. Dos quinze minutos que vi da cerimónia, era ver o jovem de olhinho cerrado em sofrimento a tentar descortinar o teleponto e dar umas broas pelo caminho. Nem que trouxesses os óculos que usaste no Ghandi pá, sempre eram uma ajuda.
Sexto, ainda na transmissão televisiva do evento. Pôr Júlio Magalhães e Marisa Cruz a apresentar maravilhas é um bocadinho como pôr o Croquete e o Batatinha a apresentar os Nobeis. Pode ser engraçado, mas não bate certo e pode tornar-se irritante.
Sétimo, só para chegar a este número mítico, maravilha, maravilha é ver que Portugal consegue perder com um país chamado Gâmbia no mundial de sub-20. Fosse o Couceiro arquitecto e não havia maravilha no mundo que resistisse.

6 comentários:

  1. Como, e ainda bem, não perdi mais do que 7 minutos com as 7 maravilhas, fiquei com curiosidade: quais são as 7 maravilhas portuguesas? temos tantas assim?

    ResponderEliminar
  2. Foi para resistir ao impulso dos sete minutos que nessa noite atravessei a ponte e fui ao deserto ver o melhor encenador vivo! Foi maravilhoso!

    ResponderEliminar
  3. Concordo com tudo e concordo ainda mais com a parte do Couceiro... Quem é que se lembrou do rapaz? :)

    ResponderEliminar
  4. @ sff - 3 mosteiros, 1 torre, 1 palácio e 2 castelos, é um revival na era medieval

    @ assustaste-me, por momentos percebi o maios encerador vivo e não estava a perceber

    @ bem visto - esse gajo chama-se Coveiro, o outro apelido é para disfarçar

    ResponderEliminar
  5. o que explica bem que desde que nos deixámos de conquistas tudo ficou pouco maravilhoso para os nossos lados. se fosse eu a eleger elegia:
    - erros ortográficos em menus e nomes de cafés;
    - a comunidade luso-francesa e os seus centros culturais;
    - nomes de terras que são frases;
    - nomes de pessoas que são frases (o meu completo por exemplo);
    - transportes público (taxistas e carris receberiam sem dúvida diplomas em todos os autocarros, carros, garagens e escritórios);
    - elegia o eládio porque ele deve ter ficado bem triste por não o terem chamado para apresentar este evento, nem que fosse como voz-off tradutor inglês-francês da pontuação oferecida a cada uma das coisas maravilhosas que se vão fazendo por aí;
    - os pastés de nata, só porque estou com saudades e são realmente maravilhosos.

    ResponderEliminar
  6. A Marisa Cruz apresentou as 7 maravilhas??? Nos meus 14 minutos e 30 segundos que vi, não a cheguei a ver!:-D

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.