11.7.07

Don’t believe the hype

Para além de “hype” ser a palavra utilizada por alguns velhotes para definir qualquer marmanjo de cabelo comprido e barbas que pareça ainda preso nos anos 60 e 70, ela tem também outro significado. Aviso já que estou longe de querer ser a Edite Estrela do bairro, até porque me recuso a pintar o cabelo em tons alourados e, pior do que isso, ter aspirações a autarca.
Assim, em traços largos, o que me interessa do hype é o facto de ser um exagero, uma grandiosidade atribuída que ultrapassa as qualidades reais do que quer que seja, algo criado, algumas das vezes não de forma organizada, para elevar algo ou alguém a um pedestal de forma artificial. E acreditem, numa sociedade que cada vez mais da imagem e de percepções, o que não faltam são coisas overhyped.

Vejamos exemplos (e dentro dos mesmos, confesso que estão coisas que me agradam, embora não as ponha nos píncaros):

- Bandas modernas, trendy, sofisticadas, de inspiração revivalista ou afins. Arcade Fire é um bom exemplo. São bons de facto, mas não inventaram a roda, nem estão propriamente a fazer algo que nunca tenha sido feito. Ver gente à minha frente quase a chorar depois de eu dizer isto e ler críticas musicais que parecem ter descoberto que Cristo voltou à Terra disfarçado de vocalista da dita banda só reforça a minha teoria.

- Telemóveis de 3a geração e Palmtops – São os acessórios de moda do momento e os brinquedinhos dos meninos grandes. Por um lado vejo gente que gasta mais dinheiro a mudar de telemóvel do que em coisas que realmente precisa, sem que saiba tirar mais proveito do dito do que mandar fotos aos amigos e fazer chamadas por motivos idiotas. Por outro lado vejo indivíduos em elevadores a comparar palmtops, como se fossem crianças a mostrar quem tem a melhor consola (coisa que muitos dos meninos grandes também fazem). Burro devo ser eu, que ainda penso que o telemóvel serve para telefonar e, vá lá, tirar uma foto ou outra.

- O endeusamento de séries televisivas – Eu sou fã, eu vejo, eu gosto, mas é fácil cair no exagero. Da mesma forma que há por aí muita e boa gente que tornou a sua vida uma dramatização do Sexo e a Cidade, creio que por exemplo o número de médicos coxos com um sentido de humor ácido também vá aumentar exponencialmente. Eu gosto do House, o Laurie está fantástico, mas 80% dos episódios seguem um ciclo exactamente igual, coisa que se constata mais facilmente se se virem três ou quatro episódios seguidos. Ide e contemplai séries, mas lembrai-vos há um mundo real aí fora, não alucineis demasiado.

- Para terminar, embora pudesse continuar eternamente- o Bronze. Não o metal, mas o da praia. Alguém explica a umas quantas pessoas que parecer uma torrada esquecida na torradeira não é bonito. Que tudo bem que a época das pessoas alvas como a cal serem um padrão de beleza já passou, mas que não há necessidade para a cidade parecer uma Unidade de Queimados ambulante. É bonito e tal, mas dentro de um certo limite, é como um doce dever ser doce, mas se for doce demais torna-se enjoativo. E se é para entrar no noticiário da TVI como vítima do cancro da pele, sejam mais criativos, isso já foi feito


Em rotação: Screamin' Jay Hawkins - I Put a Spell on You (a versão teatral ao vivo no Youtube é interessante)


PS – Esta última não é fruto da inveja. Eu com 3 dias de praia pareço turco e não é por causa do bigode.

15 comentários:

  1. Concordo plenamente. Ou como diriam na Bolsa, "Arcade Fire is overrated".

    Quem concorda ponha o link no ar!

    http://www.ateaseweb.com/mb/index.php?showtopic=234997766

    http://www.overrated-underrated.com/music/the-arcade-fire/

    http://www.last.fm/group/Arcade+Fire+are+overrated+and+also+suck

    http://trismccall.net/critics_poll_2004_results.htm


    Não estamos sós, Mak.

    ResponderEliminar
  2. Não podia concordar mais, embora seja adepta da torrada esquecida na torradeira, mas sempre protegida com um bom creme!
    Quer dizer, também tenho mais que fazer, como trabalhar por exemplo, do que ir para a praia todos os dias de manhã à noite, que é o q muito inútil faz, mas sempre que tenho um tempinho, lá estou eu a fazer a fotossíntese!

    ResponderEliminar
  3. Ou como já diziam os outros, don't believe the hype is a sequal..;)

    ResponderEliminar
  4. E já agora, num apelo que vou fazendo aqui e ali, não dá para tirar a verificação de palavras? :)

    É que em quase quatro anos de blog, contam-se pelos títulos do Benfica neste período as vezes em que tive comentários indesejados ou abusivos neste sentido e nunca tive esta validação...:)

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. Mak, partilho dos teus pensamentos como partilho uma escova de dentes...

    Os Arcade Fire são uma banda merdosa que nem sei como sobrevive, dado que são tantos como os Up With People. Quem gosta devia ser queimado no fogo...juntamente com os seus belos telemóveis 3G, iPod’s, Wiis, GPS’s e afins. Não suporto ver um jogger, por mais pelintra que seja, com 2 fios brancos a sair da roupa e enfiados nas orelhas. Aposto que estão a ouvir Arcade Fire (e que compraram apenas os headphones para dar aquela pala...) O abominável Dr. House também devia ser queimado ao som dos Arcade Fire. As séries são perigosas para a saúde: às vezes sonho com a música do genérico do 24 e acordo em sobressalto. Deviam acabar com elas e voltarmos aos serões com a Vila Faia. A minha pele é branca e nem com 72 dias consecutivos ao Sol conseguiria parecer uma torrada no ponto. Odeio toda a gente que é mais escura que eu, especialmente aquela que tem Arcade Fire no seu telemóvel 3G...

    (é tudo mentira...estava só a experimentar o que é ser “Mau”)

    ResponderEliminar
  7. E diz lá que ser Mau não é bom.

    ResponderEliminar
  8. Bigode Mak? BIGODE?! Será que li bem? E o Dom Duarte já foi informado? Ouvi dizer que o que está hype agora é fazer post a cascar nas tecnologias...

    ResponderEliminar
  9. Ora aí está. Um desabafo libertador.

    ResponderEliminar
  10. Screamin' Jaw Hawkins ... Muito bom! Apanhei esse som no anúncio das Pringles Hot! LOOOOLLLL

    Como eu tenho saudades da minha época de infância! Não existia metade das mariquices que existem hoje.

    ResponderEliminar
  11. Prometo hoje espalhar uma mensagem menos ácida, para que não julguem que sou um tipo que só vê o lado mau das coisas.

    @ cuga - Quanto ao bigode, isso é daquelas coisas que se pode considerar um mito urbano...

    ResponderEliminar
  12. sabes outra coisa que é hype? Falar mal. E não é de hoje. Já vem de antes da primeira série do Seinfeld.

    ResponderEliminar
  13. E agora para algo completamente diferente:
    - Mak, desistes? Ganho então o concurso das profissões?

    (Desculpem, isto não tem nada a ver com o post...mas comunicar por email está fora de questão)

    ResponderEliminar
  14. Não desisto não, tenho é de encontrar o link, porque agora só nos archives. Espera um pouco que já levas o troco...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.