24.6.07

Maniqueísmo precisa-se

O modernismo é uma coisa muito engraçada não acham? Por acaso não é, mas quando alguém coloca algo como sendo moderno e tendo piada, muitas vezes somos postos perante um dilema: ou admitimos que não achamos piada nenhuma e corremos o risco de sermos considerados pouco modernos ou dizemos que de facto sim, é muito engraçado, apesar de não percebermos a porra da piada.
Chama-se a isso “não dar parte de fraco” e é coisa que dá a volta ao estômago e à cabeça de muita gente. Há também quem chame a isso ser up to date e politicamente correcto, mas é o mesmo tipo de malta duvidosa que considerará o título deste post muito moderno, mesmo que não faça ideia da sua razão de ser (algo que é partilhado pelo autor).
Façam bem um exame de consciência, quantas vezes ao longo da vossa vida, para não darem parte de fraco e correrem o risco de não serem considerados modernos (se forem lamechinhas substituam por ferir sentimentos, mas sabem que isso é uma desculpa não sabem?), passaram por experiências que num dia que estivessem em plena sanidade mental nunca fariam.

Exemplo 1
A pergunta: “Então, que achaste deste novo filme deste novo realizador cipriota? Sem dúvida uma abordagem muito fresh, mas onde não faltam os valores da terra e da tradição.”
A vossa resposta: “Sim, era de facto fresh...”
O que pensaram: “Porque raio passei duas horas da minha vida a ver um filme sobre uma azeitona a crescer, para depois vir um velho e usá-la como supositório.”

Exemplo 2
A pergunta: “Valeu ou não a pena ter tirado aquele curso de sushi para preparar este jantar especial para ti?”
A vossa resposta: “De facto, é uma sensação especial...”
O que pensaram: “E se esta sensação não pára, vou ter que ir a voar para o hospital. O peixe é suposto estar morto...”

Exemplo 3
A pergunta: “O que é que tu achas desta tshirt que mandei vir do Burkina Faso. Muito trendy não?
A vossa resposta: “Epá, tu estás lá, estás mesmo lá...”
O que pensaram: “Ou alguém vomitou na tshirt ou não a lavaram depois de a terem tirado ao gajo que morreu com ela vestida”.

São três exemplos básicos, mas cobrem apenas uma pequena área da vida quotidiana em que os mesmos erros se repetem, na tentativa de mostrar algo que não é verdade, sem que grande parte das pessoas perceba, que lá mais à frente o modernismo vai custar a dobrar.
Caríssimos, se querem ser neutrais e modernos, tentem a Suiça, se nos deram espinha dorsal por algum motivo foi, para além de ser mais fácil chegar a última prateleira do armário.
Mostrem que ainda faz sentido dizer coisas preto no branco, mesmo que não seja moderno. Poder dizer que foram uma exposição e foi uma grande merda, mesmo que os críticos digam que é o máximo e gaja(o) que andam a tenta dar a volta ache um must.
Admitir que não se percebe, não se gosta e não se pretende repetir qualquer coisa, fará de nós estúpidos? Sim, possivelmente, mas antes estúpido convicto do que moderno e invertebrado.

Doves - "Black and White Town"

15 comentários:

  1. Amen! Não é à toa que o meu mau feitio é conhecido... A única diferença é que eu acho que ter mau feitio é muito à frente e moderno (a moda é que ainda não pegou, mas é uma questão de tempo...)

    ResponderEliminar
  2. Eu assino este post em baixo!

    Quantas experiências destas eu já tive e quando dava a volta ao contexto da pergunta as pessoas ficavam sem reacção. Isso para mim é estupidez no mais puro sentido!
    Porque é que as pessoas não são sinceras e dizem o que lhes vai na cabeça? A isso chama-se frontalidade...

    Enfim...

    ResponderEliminar
  3. Eh pá, este post vem mesmo a calhar para poder dizer mal:
    - só isto explica que haja mais pseudo-intelectualóides neste país que imobiliárias...então alguém percebe e gosta de uma linha sequer que o António Lobo Antunes escreva?? Como se explica que venda tanto e esteja proposto para o Nobel?

    Pergunta: este último livro do A.L.A. é fantástico, não?
    Resposta: Realmente! Já comprei para mim e para oferecer aos amigos!
    Pensamento: Na verdade deram-mo e nem tive coragem de o ir trocar...ofereci-o à primeira pessoas que encontrei...

    ResponderEliminar
  4. sff: Eu gosto do ALA e até gostei do último e tudo e, já agora, também gosto do Manoel de Oliveira (Já vi o Vale Abraão seis vezes!!!) Queres sair da blogoesfera para discutir o assunto? Claro que nunca ofereci o Lobo Antunes a ninguém, pois acho que a maior parte das pessoas, se não foi convenientemente introduzida à obra, irá detestar. (Pensamento: cambada de burros limitados e incultos!) Aconselho, para começo, O Manual dos Inquisidores e desafio-te a odiar esse!

    ResponderEliminar
  5. Eu gosto dos superherois da Marvel em livro, mas não gosto da maior parte dos filmes.

    Qualifico-me para a discussão?

    ResponderEliminar
  6. Sim, acho que também és cromo! E digo mais gosto do Lynch mas ODIEI o Inland Empire e não tenho vergonha de andar ao estalo com quem gostou!

    ResponderEliminar
  7. como seria bom ter idade para dizer o que se pensa se não fosse ter pouco tempo para tal...

    ResponderEliminar
  8. Tempo há sempre, margem de manobra é que nem sempre...pelo menos é o que consta.

    ResponderEliminar
  9. Cuga, que desilusão...e como se não bastasse também gostas do Lynch...Estás mesmo sem vergonha nehhuma!

    ResponderEliminar
  10. A seguir vão-me dizer q o Jackson Pollock não foi um tipo q tropeçou num balde de tinta e teve sorte e eu ameaço com o encerramento deste estaminé...

    ResponderEliminar
  11. Agora é demais! Desafio-te para visitares o meu blogue!

    ResponderEliminar
  12. ah fadista. para a proxima diz isto a cantar.

    ResponderEliminar
  13. quanto a pollock devo discordar. ele há tropecar em blades com tinta e tropecar em baldes com tinta e pollock sabia bem o que fazia quanto tropecou. um passeiozinho a sintra para ver o original (pela primeira ou segunda vez) nao lhe fazia mal nenhum. aquilo é tao bonito que quase que apetece virar espanhol e tocar.
    já na semana passada vi numa galeria um homem adulto sair de uma vagina gigante e nao foi bonito de se ver. ainda hoje quando penso nisso questoes como:
    1. porque é que raio é que ele lá entrou. been there, done that, ainda que nao se lembre ele há situacoes que nunca se deveriam repetir, especialmente na fase adulta.
    2. porque é que deixam feministas fazer arte? "eles" mal se sabem vestir, sensibilidade nao deve ser dos seus fortes.
    3. porque é que uma vagina gigante precisa de rodas??
    4. porque é que o guarda do museu nao estava sentado À porta a dormir como é costume e esperado da sua profissao.

    assaltam o meu espírito.

    ResponderEliminar
  14. www.pnet.pt ---- muitas gaijas .... mas sem estarem nuas

    ResponderEliminar
  15. Então para quê visitar... um claro erro na estratégia de comunicação...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.