18.5.07

Natas mentais

Visto que o calor que se instalou desde de ontem reduziu a minha já diminuta massa cerebral a uma matéria mais duvidosa do que a gestão camarária do Carmona Rodrigues, eis alguns apontamentos pré fim de semana:

- Nas eleições que se avizinham para a cidade de Lisboa, o número de candidatos arrisca-se a ser maior do que o número de pessoas dispostas a sacrificar um fim de semana de Julho para ir votar. Tendo em conta a possível taxa de abstenção, já se considera trocar o sistema de votação por um “Jogo das Cadeiras” transmitido na TVI, em que os espectadores poderão votar por sms qual a música a tocar e obstáculos a criar aos concorrentes, tipo um túnel pouco funcional ou uma gincana em que o objectivo é contornar leis à volta de imóveis. O voto nos concorrentes é que não será permitido, visto que também não tem muito interesse...

- Victor Hugo Cardinalli também já avançou também para uma candidatura a Lisboa. Segundo o homem, embora o seu período forte seja a época do Natal, se vai haver circo em Lisboa no Verão, tem que haver pelo menos um Cardinalli presente.

- Não tenho muita fé que encontrem a criança inglesa desaparecida no Algarve. Se o hipópotamo que era o Padre Frederico conseguiu escapar, se a Fátima Felgueiras até teve tempo de comprar bikinis antes de se raspar para o Brasil e se o Bibi só não se safou porque o Portugal dos Pequeninos possivelmente não foi o melhor destino de fuga que podia ter escolhido, creio que uma criança tem ainda mais hipóteses de levar sumiço.

- Vi uma reportagem da Sic sobre o Cristiano Ronaldo cujo título devia ser “A razão porque o Mak se fustiga todos os dias por não passar da clara mediania a dar pontapés na bola”. No entanto, percebi que há algo mais vantajoso do que ser o próprio do artista, que é ser familiar próximo do artista. Não nos arriscamos a levar umas pantufadas em campo, não temos de andar a treinar todos os dias com afinco, a imprensa nunca quer saber de nós a não ser que sejamos estúpidos ao ponto de fazer que dêem por nós e, o melhor de tudo, é que não temos que aprender a cancioneiro do futebolista, nem sequer para nos referirmos a nós próprios na terceira pessoa.


A terminar, o silêncio é agora oficialmente uma virtude. Não fosse isso e hoje não iria ver Bloc Party. Daí a “Positive Tension” no ar.

9 comentários:

  1. Mak, falta apenas fazer uma pequeníssima nota sobre o triplo embate de Domingo. Seria bom que o Eusébio, em entrevista ontem com a Judite de Sousa, tivesse razão: "apesar de ainda faltarem 2 jornadas para o fim do campeonato, o Benfica não é campeão." Mas como diria o outro, prognósticos só no fim dos 3 jogos...

    ResponderEliminar
  2. Mas o campeonato interessa a alguém? Taça é que está a dar, embora comprar bilhetes me pareça ser mt mais complicado do q ver o Belém a ganhar ao Sporting...

    ResponderEliminar
  3. Também arranjo lugares para o jogo no Estádio Nacional. Neste caso, lugares de estacionamento legais, sem mitras, a 20 minutos (a pé) do estádio.

    ResponderEliminar
  4. vá lá, o mau resolveu dar um tonzinho de bom gosto musical. assim até sabe bem ler os seus textos com barulho.

    ResponderEliminar
  5. Já o concerto foi brevíssimo... Sobretudo para mim que saí depois da música dos telemóveis. Gostei de não te ver Mak, assim os akas perduram! Continua atento pois, em breve, pode ser que haja um passatempo em que o prémio seja escolher dois candidatos(dos dois que visitam o meu blog) para lhes dar mais música.

    ResponderEliminar
  6. Mas, isso foi tipo a meio do concerto não? É certo que com dois albuns também não daria para esticar muito, mas isso n terá sido exagero?

    Claro que esse tipo de passatempos são sempre bem vindos, especialmente para o meu ego, alter ego acrescente-se...

    ResponderEliminar
  7. A verdade é que conforme podes confirmar junto de fontes próximas a este blog, efectuei uma retirada estratégica para a Solmar. (Os pregos com mostarde e cerveja sempre são melhores que mau som em palco). Cheguei à conclusão que, salvo raras excepções, o que eu quero mesmo é ouvir 3/4 músicas da maior parte das bandas que gosto e depois voltar para casa. Isso, ou um camarote, com piquenique de vinho tinto e queijos! É o lado Tuga da Cuga a despertar!

    ResponderEliminar
  8. bloc party infelizmente não têm dois albums, têm um album, um single e uma péssima tentativa de fazer música porque este último deixa muito a desejar.
    in my humble opinion.

    ResponderEliminar
  9. Só tu para te lembrares do potencial da abstenção a esta altura do campeonato

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.