5.4.07

Sempre a partir

Quando o nosso “Cartão Lisboa Viva” (não podiam ter escolhido nome menos lírico) começa a dar problemas, não passando nos acessos ao metro sem que antes tenhamos de ser insultados pelos 228 animais que estão atrás de nós à espera que consigamos validar a passagem, não funcionando nos autocarros, fazendo com que o motorista nos chame “Ó chefe, veja que o cartão não deu verde” e fique com a sensação de que sou um delinquente (mesmo que seja verdade, não fica bem admiti-lo), será que chegou a hora de vermos o que se passa com ele, já que está dentro do prazo?

Sim, creio que sim.

Tentando saber porque o meu “Cartão Lisboa Morto Vivo” não estava de saúde fui a um posto do Metro, onde o vendem, o recarregam e, de muito longe em longe, o entregam com um sorriso. Expus o meu caso: “Olhe, tenho tido problemas com o cartão, não passa nos acessos e não sei o que se passa, porque está dentro da validade e eu carreguei o passe o mês passado”.

A senhora, mostrando a destreza manual e a sensibilidade de um talhante, começa a dobrar o cartão de uma maneira que me pareceu perigosa para a integridade do mesmo, avançando: “Pois, é natural, ele está aqui um bocadinho partido na zona do chip”.
Antes que eu tivesse tempo de protestar, dizendo que com aquela mãozinha de lenhador ele não ia melhorar de certeza, eis que oiço um barulho fatídico e, sem ver o milagre da multiplicação dos pães, vi o da duplicação dos cartões, já que o meu estava agora em dois bocados nas mãos do Orc. “Vê, eu a falar e isso a acontecer. Estava mesmo nas últimas”. Estupefacto, porque o cartão apesar de não estar imaculado também não estava partido antes de lá ir, fiquei paralisado. Possivelmente o meu inconsciente disse-me: “Fica caladinho, que ainda segues o mesmo caminho do cartão”.
Só consegui avançar um incrédulo “Então e agora?”. A senhora, sorrindo, avançou “Agora, faz outro”.

Por isso, já sabem, o velho conceito do “Se tem problemas ou está partido nós arranjamos” foi substituído pelo “Se tem problemas, nós partimos e você arranja-se”. Mal posso esperar por ir renovar o multibanco para a semana, onde menos do que queimarem um molho de notas com um fósforo à minha frente e ficarei algo desiludido.

4 comentários:

  1. Com isto tudo agora andas a pé... de 'Cartão Lisboa Morto' no bolso. Se quiseres empresto-te o meu, eu não o uso nunca e acho que a tua foto não deve ser muito diferente da minha, se é de passe deve ser pelo menos universalmente MÁ.

    ResponderEliminar
  2. Cartão Quê?!?!
    Não sabia que isso existia, mas ainda bem. Fico contente por se poder comprar algo vivo na cidade. Por acaso achava que o Lisboa viva seria só para os reformados, que pagam meio cêntimo pelo seu buraco sem águas quentes e frias e com pouca luz, virado para a Rua do Carmo, e assim podem sacar do dito cartão sempre que querem ter a certeza que ainda não estão nos Prazeres ou no Alto de S. João. Mais uma vez este blogue presta um serviço público, com informações úteis.

    PS: Mak, sem address não há festa no blogue, understand?

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.