17.4.07

Não lembra ao Bandemónio

Já tínhamos levado com ele a referir que estava efectivamente ali, ao serviço do Crédito Habitação de uma instituição bancária, se bem que a meu ver faltava ali uma achega na música, que se deveria chamar “Eu estou aqui A MAIS”.
Não contente, o mui grave e profundo Abrunho(sa) faz a recarga (energética) dedicando uma faixa literalmente brilhante a favor da poupança e da eficiência da EDP. “Ilumina-me” é o nome e eu, cada vez que a oiço, vejo tudo a negro e ao contrário desse eloquente bardo, nem preciso de ter óculos escuros postos.
Pelo andamento do cenário, mal aguardo com ansiedade um tema pungente e apelativo para outra campanha, quiçá um “Alivia-me” para um renomado laxante.
Amigo Pedro, oiça este meu apelo sincero: não ponho sequer em causa o seu lugar num alto patamar da música nacional, pois se ainda não atiraram o Represas e o Miguel Ângelo do mesmo, pode estar aí sossegadinho que não é menos que essa gente. Não me venha é impingir nada pelo meio, que a gerência agradece e os meus ouvidos aplaudem.

4 comentários:

  1. Falando em Miguel Ângelo que é feito dos Delfins?
    Se calhar morreram em algum acidente de avioneta... não isso era o teu sonho :p

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. realmente é incrivel como as pessoas passam de bestiais a bestas. há uma década atrás o abrunhosa era genial, inteligente e etc agora é um "nabo". bom realmente a nova musica é má de mais para ser verdade, mas vamos esperar por algo melhor.
    realmente se o repressas ainda aí anda... tbém não é preciso incomodarem-se com o p.a

    ResponderEliminar
  4. O Abrunhosa teve o mério te há 10/15 anos ter criado um espaço próprio e uma lufada de ar fresco na música nacional. Isso não o nego.

    Creio é que de há uns anos para cá se prendeu a uma fórmula que terá certamente os seus fãs, mas que a mim já me enjoa um bocado, para não me dizer muito, para não dizer horrivelmente muito...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.