1.3.07

Hora de saída



Que não se pense que este título é um epitáfio para este blog, depois do nosso momento de glória (link comercial). Até porque do ponto de vista intelectual este blog morreu à nascença e de resto vai sobrevivendo ligado à máquina.
O título em causa tem a ver com uma das coisas que mais dá alegrias aos portugueses e não me refiro à selecção nacional de corfeball: a hora de saída. Seja no emprego, nas aulas ou em saraus de poesia, nada dá mais gozo do que ver chegar a altura de nos pormos a andar.
É claro que alguns vão protestar: “Ah, eu até gosto de ficar depois da hora de saída”, mas tudo bem, todos sabemos que os downloads de pornografia demoram o seu tempo, que as “relações” alunos/professores são cada vez mais comuns e que não são raras as lesões cerebrais e motoras nos frequentadores de saraus de poesia.
Na verdade, existem algumas diferenças entre as abordagens à hora de saída, especialmente no meio empresarial, aquele que actualmente conheço mais de perto e sobre o qual vou tecer algumas considerações:

- Ao contrário do que se diz, os funcionários públicos também olham de lado para os colegas que saem a horas. Visto que saem todos mal bate a hora certa, é a única forma de se certificarem que não fica ninguém para trás.
- Em empresas mais liberais, indivíduo que saia a horas, mesmo que com o trabalho todo despachado, é considerado um calão. Já quem fique até às tantas depois de passar o dia no café, a assediar colegas, no msn, ao telemóvel, a evitar ir ter com a família e afins, a evitar ter que lidar com o facto de não ter família e afins, a usar Cera Búfalo no patrão, etc, tem boas hipóteses de ser considerado trabalhador exemplar.
- Também em relação à hora de saída, existe o chamado seguidismo. Com a particularidade de se referir a gente que fica sempre no seu posto até cerca de cinco minutos depois de o seu chefe sair.
- Os motivos para sair horas também são por vezes exemplos de paradoxos. Gente que diz odiar futebol, mas tem que sair porque gosta de ver os grande jogos. A senhora que passa o dia aos gritos ao telemóvel com o seu respectivo, mas depois sai a correr porque comemoram hoje mais um aniversário. O tipo que tem uma saúde de ferro, mas vai a cerca de 3 consultas por semana, todas elas marcadas em cima da hora.

Estes são meros exemplos, porque não pretendo fazer um compêndio na matéria, Mas o facto é que a hora de saída continua a ser tema de conversa em qualquer empresa. Toda a gente gosta de sair a horas, muitos têm vergonha de o fazer, outros de o admitir, os que não saem fazem piadas sobre os que saem, os que saem dizem que os que não saem é que são uma anedota. Traço geral, como em muitos outros capítulos, somos basicamente assim: atrasados.

4 comentários:

  1. A fazer posts no blog às 3h da tarde...aposto que saiste 15 min mais tarde
    :)))

    ResponderEliminar
  2. Abdiquei da minha hora de almoço para dar asas à minha veia de escriba.

    Pelo menos é isso que vou defender com unhas e dentes se me tentarem fazer a folha...

    ResponderEliminar
  3. Depois deste post, nunca mais vou ver a hora de saida da mesma forma! Sempre sai quando acabava o que estava a fazer, e quando não estava a fazer nada saia no 1º nanosegundo a seguir á hora estipulada! O que fazer agora? Sair a horas ou sair quando me der na gana? Passar por calão ou por engraxador? Porra, esta é uma prova de que informação em excesso é prejudicial!!!!

    ResponderEliminar
  4. E os famosos funerais? Há quem lhe morra a avó materna duas vezes por ano...que "nojo"...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.