24.2.07

A tristeza de já não ir ouvir A Voz da grelha



Foi com alguma tristeza que recebi hoje a confirmação de que um dos meus sonhos de alguns anos para cá já não tem qualquer hipótese de se vir a realizar. Ainda me lembro do dia em que os meus olhos se cruzaram com uma fotografia de tal ícone, um local a que todos os amantes do trocadilho deviam prestar reverência.
Foi nesse mesmo dia que garanti a mim mesmo que havia de lá ir, apesar de certamente ir pôr a minha vida em risco ao entrar numa churrasqueira nos arredores do Barreiro. Mas, porque vou com a mesma frequência para esses lados do que aquela com que visito Kampala , fui adiando essa jornada.
Hoje, em conversa com um amigo meu recebi a triste notícia: "Esse restaurante já não existe meu amigo, ardeu". Amargurado demais para tentar perceber se ardeu literalmente ou se foi vítima de gestão danosa (sim, porque com a sua marca clientela nunca deve ter faltado), fui afogar as minhas mágoas num manjar com certeza me teria sabido mil vezes melhor, caso tivesse ido até ao malogrado estabelecimento em tempo útil.
Descansa em paz Frango Sinatra, posso nunca ter apreciado os teus acepipes, mas o teu nome continuará a cantar de galo na minha memória.

5 comentários:

  1. Mais depressa ía a Kampala e acampar que ao Barreiro. Mas, na margem sul lamento a "cremação" dessa outra ave, o Seagull na Arrábida. Mas o nome da churrascaria era mesmo muito bom.

    ResponderEliminar
  2. Sempre podes ir à Silveira, onde os frangos são à maneira.

    ResponderEliminar
  3. Frangamente! Isto não se faz...

    ResponderEliminar
  4. Tinhas que soltar a franga nao era...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.