4.1.07

2007 - Entrada a pés juntos


Levando eu muito a sério esta história de não desperdiçar água (poupem-me a piada do banho), aplico esta política também em relação à saliva, nomeadamente no aspecto de não a desperdiçar em conversas de chacha (já em relação a escrever baboseiras, como já devem ter reparado sou um mãos largas).
Serve esta introdução para referir que me enfada sobremaneira esta primeira semana do ano, em que por milhentas vezes as pessoas se vêem compelidas a contar tudo sobre a sua passagem de ano, desde da descrição minuciosa da ementa, a cada pormenor de grande humor (na opinião do relator) até aos grandes épicos de álcool e vomitado que marcaram o reveillon. Irrita-me também o facto de se ter que desejar Bom Ano a torto e a direito, incluindo a gente que não nos importávamos nada que tivessem ficado pelo ano passado.
Em relação à passagem de ano, quando a história (ou, muito provavelmente, a pessoa) não me interessam, rapidamente arranjo maneira de me escapulir, nem que seja simulando um ataque epiléctico. Já os repetitivos “Votos de bom ano para ti e para os teus” blá blá blá, ditos por gente que se está marimbando para que o meu avô dê o berro se a EDP tiver uma falha de energia e o ventilador que o mantém como elemento activo de 2007 falhar ou que eu seja trucidado por uma composição do metropolitano na sequência de uma disputa com um idoso pelo último jornal Metro disponível, esses sim tiram-me do sério.
Por norma, não digo bom ano a torto e a direito, em primeiro porque não sou hipócrita e em segundo porque não sou a Maya (não a abelha, mas a pindérica do Tarot). Sei lá se em Fevereiro ou Outubro a pessoa a quem desejei Bom Ano não me vem pedir contas porque acabou uma relação, perdeu o emprego ou gastou uma fortuna no casino e acha que eu a induzi em erro.
Assim, desejar “Bom Ano” para além das bichanices todas da etiqueta, é um bocado como jogar ao Euromilhões. A maior parte da malta joga, mas só um ou dois é que tiram dividendos a sério. Por isso, escolham bem em que apostam ao desejar Bom Ano e sejam selectivos. Desejem um bom ano a quem vos deve dinheiro, porque se a vida lhes correr bem há uma maior probabilidade de pagarem o que vos devem. Não desejem bom ano aos parentes chatos, porque há maior probabilidade de eles se tornarem ainda mais chatos. Desejem bom ano a todos os que vos detestam, mas façam-no cara a cara e com um sorriso, só para terem a satisfação de os ver engolir em seco e retribuirem com um sorriso amarelo. Não desejem um bom ano ao vosso médico ou farmacêutico, porque um bom ano para ele é miséria certa para vocês. Como vêem é fácil ser prático nesta matéria.
Finalmente, se querem ser realmente esforçados (coloquem música dramática nesta parte), sejam mais precisos e não se fiquem pelo desejo de Bom Ano à minha cara pessoa. Peçam-me o NIB e assegurem a minha felicidade mensalmente (ou semanalmente).

5 comentários:

  1. Por a nova banda sonora não me ter deixado concentrar bem no texto, no último parágrafo não consegui a música dramática apesar de ter começado uns leves acordes de violino de fundo que logo se desvaneceram no grito SABOTAGE e por causa dessa sabotagem na minha concentração a minha dislexia piorou e li que era para te pedir a BIN. Para que é que eu quero isso? Para que me serve? Onde posso ir levantar a encomenda? É pesado? Se não gostar posso oferecer-te de volta no próximo Natal?

    ResponderEliminar
  2. Não te desejo um bom ano porque no teu caso específico se o ano correr muito bem deixas de ter assunto para este blog por isso que tenhas pelo menos um disabor semanal. Não precisa de ser disabor grave. Basta um leve amargo de boca.

    ResponderEliminar
  3. A Cuga esteve a pensar e deseja-te um bom ano!

    ResponderEliminar
  4. @ Pala - Não te preocupes, sempre que precisar de veneno e maldizer basta-me morder a língua, por isso a reserva é inesgotável... (qt à banda sonora, se tudo correr bem passaremos a ter alterações semanais, em que o critério irá de mal a pior sempre que possível).

    @ Cuga - Agradeço e retribuo às duas, tanto à primeira como à terceira pessoa.

    ResponderEliminar
  5. Acatando a tua sugestão...eu acho mesmo que te vou desejar um ano Bom para mim

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.