4.12.06

Panquecas a la Vulcano


A minha mãezinha, talvez prevendo neste seu rebento um caso complicado, sempre me ensinou a fazer tudo o que era preciso para sobreviver numa casa, sem que aquilo se tornasse uma qualquer selva do Vietnam ou um aterro sanitário.
Como em qualquer área, na lida da casa e sobrevivência doméstica, tenho os meus pontos fortes, as minhas debilidades (tão escassas, tão escassas que quase nem vale a pena falar nelas) e os meus hobbies. Estes últimos, têm a ver com pequenas actividades a que me dedico no conforto do meu lar, quando tenho tempo e paciência, o que não é sinónimo de destreza e sapiência.
Este fim de semana, achei por bem lanchar umas simpáticas panquecas. Sabendo eu a receita, há um pormenor que me delicia. O truque desafiador da gravidade de lançar a panqueca ao ar e virá-la de lado. Como qualquer miúdo (mesmo que apenas em idade mental), o desafio é ir cada vez mais longe. Uma volta no ar é para meninos, duas é para gajos com super poderes.
Com isto em mente, preparei uma panqueca digna de figurar no Guinness, afastei-me do fogão e juro que por momentos ouvi rufar tambores lá em casa. Frigideira na mão esquerda, uma pequena gota de suor na testa, para reforçar o momento de tensão e lá vai ela. Subiu, subiu, deu uma volta, disse-me adeus e então algo correu mal. Quando devia descer, começou a inclinar-se, quando deveria estar em fase de aterragem, fazia um movimento não previsto e, como um qualquer Space Shuttle desgovernado, vejo com ar incrédulo a panqueca voar para cima do esquentador e cair lá dentro.
Como é possível, tínhamos tudo para ser felizes e assim, passei eu um fim de tarde a tirar bocados de panqueca do sacana do esquentador, que naquele buraquinho em que tem a chama parecia ostentar um sorriso trocista.
Duas horas depois, amaldiçoando o senhor Vulcano e todos os seus descendentes, tomei a firme decisão: da próxima vez que tentar o duplo ou até mesmo triplo looping da panqueca só com um pano a cobrir o esquentador.
Eu sei, é uma história estúpida, mas pode salvar a vida a muitas panquecas...

17 comentários:

  1. Ahahahahaha... o final está brutal.

    ResponderEliminar
  2. Não te preocupes, que o Chefe Silva também já deve ter tido um problema parecido...;)

    ResponderEliminar
  3. As panquecas parecem boas, mas o que me chamou realmente a atenção foi o sumo (natural, feito por ti, enquanto fazias malabarismos com cinco laranjas?!) e o DVD de aluguer que está em cima da mesa. Recomenda-se, ou não?

    ResponderEliminar
  4. A serio acabo de me enjavardar com leite cereais pois quando esta ler o fim tinha levado uma colher a boca.... ahhhhhhhhhhahahahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh

    Tenente Val10

    ResponderEliminar
  5. Cuga, aquilo que me chamou a atenção na foto foi: será que o amigo Mak lê a revista "BURDA"??

    ResponderEliminar
  6. Caro Mak.
    Como em muitas coisas boas na vida, que tanto prazer nos dão a nós e a elas, o truque está no pulso e nos dedos.
    Em vez de alavancar o movimento que imprime a rotação à panqueca com o braço, deve fazer um movimento contido do braço mas firme do pulso enquanto os dedos se cravam no punho da frigideira para que está não oscile.
    A panqueca deve girar energicamente mas não demasiado alto. Começe com o salto mortal simples da panqueca e só depois passe para o duplo, triplo e encarpado à retaguarda.
    Exprimente, vai ver que não custa nada.

    ResponderEliminar
  7. Se faz favor, acredita que eu tb achei que era a Burda, mas depois vi que não havia o "d" e percebi que é outra coisa; Continuo mto intrigada com o filme...

    ResponderEliminar
  8. Agradeço a todos as dicas e prometo que relatarei com afinco as próximas experiências. Relatarei eu ou, conforme as mesmas correrem, relatarão os meios de comunicação social. Por isso, estejam atentos a incêndios, fugas de gás ou esquentadores entupidos que sejam notícia.

    Qt à imagem, confesso, é sacada da net, mas procurando retratar o meu ambiente caseiro. A Vogue e a Burda são presenças constantes, pois estou a pensar lançar a minha própria linha de roupa, quando me fartar da culinária.

    Qt ao filme cara Cuga, não o tendo é fácil de dedudir: "Bedazzdled" em português "A sedutora endiabrada", com Elizabeth Hurley e Brendan Fraser. Não trocava uma boa panqueca por esse filme...

    ResponderEliminar
  9. Em breve mostrarei no meu bloguinho o que é uma confecção de refeição a sério, por moi même! Vai espreitando...

    ResponderEliminar
  10. A depilação. Agora a Burda. E a Vogue...

    ResponderEliminar
  11. Onde é que está o Vilão??? Quem é o RNC???? (ver Contributors).
    Isto cheira-me a esturro...

    ResponderEliminar
  12. O RNC é vilão em eslovaco. Os problemas de identidade do rapaz são o menor dos seus problemas digamos...

    ResponderEliminar
  13. Lolololol, não consigo parar de rir!!!

    ResponderEliminar
  14. Aquele sr. reinu lá em cima é só garganta. Tudo bem que acertar dentro do esquentador só mesmo para fã do NBA mas virar la panqueca não é tarefa fácil. Qual pulso qual quê!! Então e a frigideira, o peso da mesma, a sua capacidade de não pegar alimentos, a espessura da panqueca, a sua consistência, a gravidade e a direcção do vento. Eh pá se isto tudo não são factores de risco ao bom desenrolar do mortal panqueca, eu não me chamo pala 2x.

    ResponderEliminar
  15. RNC - Rogério N Costa??

    ResponderEliminar
  16. A minha opinião oscilaria entre isso e Rede Nacional de Cocheiros, como tal continuo algo dividido...

    ResponderEliminar
  17. Hehe! Brutal... Panqueca/kamikase.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.