4.9.06

O adeus a um espécime raro






Chegou hoje ao fim da linha Steve Irwin, o famoso “Crocodile Hunter” que, entre outros feitos, capturou crocodilos a granel, brincou com perigosas serpentes e conseguiu até segurar no filho ao colo com uma mão, enquanto com a outra alimentava um simpático Croc, sem nunca se enganar na mão com que dava de comer ao bicharoco. Visita regular do Tonight Show do Jay Leno, criador de um Zoo na Austrália e defensor da vida selvagem, e por isso amigo de todos os portugueses, Irwin não faleceu num mano a mano com um crocodilo, num beijo a uma serpente, nem sequer de tédio num engarrafamento no IC-19, mas sim vítima de uma raia, durante um documentário sub-aquático que estava a gravar, constituindo até aí um fenómeno, já que é a terceira pessoa de sempre a morrer do ataque de um desses bichinhos, os quais aprecio bastante, mas apenas em versão filete.
Ao que parece a raia poderá não ter apreciado um trocadilho feito por Irwin relativamente à arraia-miúda e toca de lhe dar a ferroada letal no peito e que causou morte imediata no local. Sendo fã dos programas do jovem, sinto hoje algum pesar pelo seu desaparecimento e sei que, pelo mundo inteiro, não faltarão lágrimas de crocodilos, que ironicamente poderão ser sinceras e serpentes a morder os lábios para conter a emoção, o que pode causar muitas baixas involuntárias entre a espécie.
Força Steve, onde quer que estejas não faltarão com certeza espécimes estranhos para lidares. Da minha parte, eu sei que onde estou não faltam de certeza...

PS - Uma das razões para o facto de Irwin nunca ter vindo a Portugal prende-se com o facto de ter terror de papagaios, coisa que como se sabe é coisa que não falta em solo luso.

1 comentário:

  1. Voltei das férias, amigo, com fome dos teus textos. Beijinhos. Nunca mais nos vimos :P Tens estado com a Luisa? Lux sexta? :P

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.