25.8.06

Continua chamando-me assim...palhaço


Pode ser mau feitio meu, mas sinto uma embirração especial por quem trata seres com mais de 50 cm’s por “Bébé”. Tudo bem, em situação privada de carinho e afectividade a coisa é tão aceitável como tratar o outro por Monsenhor, Pedaço de Esterco ou Miss Piggy, mas em público é, no meu douto entender, punível com pena de morte por apedrejamento, isto nas penas mais suaves.
Se a desculpa é do anglófono baby, esqueçam. Aquilo na língua deles até soa bem, em português fica ridículo. Ninguém trata o outro como abóbora e entre eles há quem o faça e não soe assim tão mal. Usar o termo inglês original integrado em frases tão sentidas como “Tu deixas-me louco baby” tem a mesma inteligência dos futebolistas que dizem “Estou aqui para fazer o que o Mister quer”.
Suponho que a intenção de quem trata os outros por bébé, quando não num sentido irónico como em relação ao avô que se acaba de borrar todo nas calças, seja mostrar afecto, carinho, vontade de proteger ou até mesmo fetiche com chupetas. Mas há que não esquecer que o bébé não tem propriamente controlo das suas funções corporais, não prima pelo discurso coerente e fascinante e tentar ter com ele o que muitos tentam ter quando começam a tratar adultos com esse diminutivo dá pena de cadeia pela certa.
Sejam originais, arranjem-me diminutivos giros, pitorescos ou na melhor das hipóteses estranhos, mas não se rendam ao facilitismo pueril. Não é difícil, a não ser que possuam um intelecto semelhante ao do dito cujo.
E não termino com um “Ah pois é bébé!” porque os meus dedos congelam ao pensar no uso dessa frase e dão-me suores frios que não têm nada a ver com o prazo de validade do sumo que estou a beber.

9 comentários:

  1. lollllllllllllllll
    Eu por acaso (mas é só por acaso) faço parte dessa gentinha que chama baby (não bebé) a outra pessoa. Mas é ao meu irmão mais novo. Menos mal, não?

    ResponderEliminar
  2. tens o desconto familiar, mas se o teu irmão tiver 30 anos, 1,95 e barba de fazer inveja a muito camionista, nesse caso o desconto é revogado.

    ResponderEliminar
  3. "Amor" também é de arrepiar os pêlos. E agora que me re-baptizaram, o que devo fazer?

    ResponderEliminar
  4. Ufa, tem 18 anos, pouquinha barba e 1,80m. Safei-me.

    ResponderEliminar
  5. Bom, e se de facto estivermos a abusar de um infante com menos de 12 meses? Podemos chamá-lo de "bébé"?

    ResponderEliminar
  6. Carmencita30/08/06, 16:00

    Dizes isso porque és gajo e nunca ninguém te chamou por "Princesa". (Bom... pelo menos assim o espero.... Não me deixes ficar mal, ok?) "Princesa" é o cúmulo do asco! Convenhamos que "Fofinha/o" e "Linda/o" não lhe ficam muito atrás... E não me puxes pela imaginação que te junto o "Filha/o", o "Querida/o" e o "Xuxu" à lista. BLARGH (é o vómito!!!)

    ResponderEliminar
  7. Também quero contribuir... Acrescentem ao fofinho, os nomes queriduchos de tartaruga urso e outros animais reptilíneos ou peludos deprimentes. Pior que essas fofuras só mesmo o acabar das conversas com "jokas" ou "bejoquinhas"... Algo que me deixa ou pêlos que depilei a laser de novo eriçados... Nojo, asco, blarghhh... Mais uma vez, grande Mak, sempre em cima do acontecimentos que nos causam dermatites cerebrais!

    ResponderEliminar
  8. Ainda bem que nao terminaste com Ah pois é bebe.
    Beijinho, bebe. :P

    ResponderEliminar
  9. Ya... uma vez um rapaz muito interessante, inteligente, e giiiiiiiiro, despediu-se de mim ao telefone com beijoquinhas fofas. Passei a trabalhar até às tres da manha todos os dias na agencia, treta, nunca mais aceitei café. Radical?
    Pior que beijoquinhas (dá-me vómitos) é beijoquinhas fofas. Ora, para ele também. God bless his soul. :)

    By the way, espero que ele nunca venha a ler este meu comentário. É sempre chato. Desculpa aí. Beijoquinhas fofas até é... fofinho. AAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHH...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.