1.6.06

Os cinco minutos que gostavas de não ter perdido

O facto de ser um traste, leva-me muitas vezes a poupar tempo e paciência em coisas que muitas pessoas, por boa educação, por serem tapadas ou simpesmente sofrerem de coração mole não se escapam.
Uma dessas coisas são as conversas de circunstância. E acreditem, nada me dá mais gozo do que não tê-las. Porque raio temos nós de falar com gente que partilha um espaço comum por momentos, tipo consultório, elevador, autocarro, metro, etc ou, pior ainda, gente que era da nossa escola, faculdade, bairro, bar, centro de recuperação de toxicodependentes ou afins, mas com quem não temos mais afinidade do que com um poste de iluminação.
Não vamos aprender nada, não vamos partilhar nada de interesse e não nos vamos sentir melhor pelo que acto de misericórdia que estamos a praticar. E no entanto, há quem não resista ao: “Parece que chove hoje...”, “Então, o que é que tens feito?” ou “Há que tempos que não nos víamos...”
Depois, todos já sabem o que se segue: cinco minutos de conversa fiada, lugares comuns e uma sensação de vazio, que culmina numa rota de fuga traçada com a desculpa mais esfarrapada que se consiga arranjar mas que efectivamente nos tire dali...
Não era preferível usarem esses cinco minutos , por exemplo, a telefonarem para alguém com que realmente gostariam de pôr a conversa em dia (inserir logotipo da operadora móvel patrocinadora do espaço)
Por isso, da próxima vez que um desse momentos de encher chouriços sociais se avizinhar, lembrem-se dos cinco minutos que gastaram a ler este texto idiota e não cometam o mesmo erro de novo...
É que ao contrário dos desperdícios tóxicos, desperdícios de tempo não dão para reciclar...


Dou consultas de fazer inveja ao Professor Bambo em - mak_omau@yahoo.com.br

8 comentários:

  1. Ia escrever um comentário a este post mas sendo assim... já não o faço...

    ResponderEliminar
  2. quando são só 5 minutos a coisa não é muito grave... grave grave é apareceres numa reunião social do tipo ex alunos do liceu ou ex combatentes do ultramar e dares-te conta que não conheces lá ninguém de quem gostes ou no caso específico da segunda reunião, que não conheces lá ninguém porque só tens 24 anos logo nunca combateste no Ultramar. No entanto todos falam contigo, todos te conhecem do tempo que andavas de fralda, todos te beijam e babam e quando te dás conta, não foram 5 minutos, foi um dia inteiro a encher chouricos sociais...
    eu sinceramente, tendo que o fazer, prefiro falar sobre o tempo no elevador.

    ResponderEliminar
  3. Meu caro Mak!

    Encher chouriços socialmente podia perfeitamente passar por encher chouriços blogguisticamente... Mas não é o caso! O Mak é um provocador... quer ver os seus assíduos leitores perderem a paciência... Pois não perdemos, vimos aqui e voltamos.

    Já agora não diga palavrões - o tempo não se desperdiça: usa-se! E eu, cá por mim, apesar de não fazer small talk, gosto sempre de usar uns 30 minutos diários a ler as pérolas que por aqui e que por outros lados param.

    Abraço,
    BR (boa, má e vilã - 3 em 1 - com chapéu de cowboy e cigarro no canto da boca)

    ResponderEliminar
  4. Quem é o professor Bambo?, pergunto eu.

    ResponderEliminar
  5. Dizia uma rapariga nas vésperas de se casar: para quê levar o porco, quando só se quer o chouriço?

    mmmm...

    ResponderEliminar
  6. @ Cara Catarina,

    Creio que a versão director's cut dessa era:

    "Para ficar com o chouriço, tem de se casar com o porco todo..."

    Digamos que o episódio em que conheci essa anedota valeu os 5 minutos...

    @ Cereja - O Professor Bambo é o maior avanço para a medicina, desde que se descobriu a gargalhada

    @ br - Este é um comentário escusado, pois se é um facto que agradeço os cinco minutos dispensados, não acredito que gaste 10 pelos mesmos motivos

    @ pala x2 - O tempo no elevador é sempre um bocado soturno, raramente faz sol e qd muito populado a concentração de suor e humidade torna a coisa um bocado negra

    @ sff - Estava a pensar responder-lhe, mas amor com amor se paga...

    ResponderEliminar
  7. E eu que estou a sentir-me meio entropecido pela falta de conversa, pelas teias de aranha que apanhei no meu blog... pela porcaria do touchpad que tenho no portátil que está sempre a mudar-me a setinha de lugar...

    ok, já passaram os meus 5 minutos de conversa fiada.
    Espero que esteja tudo bem! (sim, alguma vez iria eu deixar escapar o icon das frases feitas!)

    ResponderEliminar
  8. Conversa de circunstância é uma arte para a qual não estou geneticamente preparado.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.