22.6.06

DesatHinos

Desathinos

Durante o Euro 2004 começou a moda, bute lá pôr a malta a curtir o hino. O quê, o nacional? Ná, esquece lá isso, esse é coisa para ser cantado em playback por jogadores da bola, políticos e militares. Vamos é fazer uma cena moderna, assim com Ipope (havia malta, claramente careta, que não ligava muito a esta corrente musical da moda), para pôr o people que curte totil futebol a cantarolar o hino e arranjarmos também forma de lhes sacar mais uns cobres enquanto eles estão distraído com o Gene Hackman a treinar e o Figo, o Ronaldo e os outros a jogar.
E enquanto o Diabo esfregou um olho (ou as mãos de contente?) cantámos, entre encavanços à moda grega, “Menos ais, menos ais, menos ais” ao passo que a Galp trauteava “Queres mais? Paga é os aumentos na gasosa se não queres dar aos pedais”. Mas pronto, a coisa passou e se é um facto que a sequela era fácil de prever, o Alemanha 2006 tem contribuído para a poluição sonora de uma forma avassaladora, que tem superado as piores expectativas.
Tudo quanto é estação de rádio, televisão, serviço nos impinge um hino feito para o mundial, que exalta a nossa ambição, mas acima de tudo me irrita a audição. E, ainda por cima, têm todos uns toque de moderno uns “Yeah, yeah, yeah” e foleiradas semelhantes para mostrar que isto não é foleiro, que é uma cena moderna que podes até ouvir aos altos berros no auto-rádio ou com a janela aberta, que a malta vai pensar que és um tipo baril.
No meio disto tudo, para além de mim, tenho é pena de outras instituições que por escassez de meios certamente tiveram que pôr de lado as suas aspirações a criar o seu próprio hino.
É por isso, que com algumas estrofes venho mostrar que estou solidário e se não podemos simplesmente ver a bola sem nos darem música (palavra usada em sentido lato), então todos temos direito.

Associação Nacional de Talhantes (a passar em speakers em todos os talhos de Portugal, Ilhas e comunidades de emigrantes)

Yeah, Yeah, Yeah, os tugas vão limpar a Alemanha,
E mostrar que quem é tenrinho nunca ganha.
Temos no Scolari um mister que é um colosso,
E no Petit um cutelo, para lhes partir o osso,
E, se for preciso, agarrá-los pelo pescoço

Vai Portugal, mostra que és o ás no baralho,
Tens o apoio do pessoal do talho,
E já dizia o Futre “É para ganhar, caralho!!” x2

Vamos mostrar que numa defesa com o Miguel e o Meira,
Vai sempre sobrar quem precise de mioleira,
Mas do meio para a frente, a clientela é potente,
O Ronaldo gosta de naco,
E ninguém diga que o febrão do Figo é fraco,
O Pauleta é fã da costeleta e vai marcar golos até de bicicleta,
Mas pra passar o Costinha vai ser mais difícil que ver um brazuca que não goste de maminha.

Vai Portugal, mostra que és o ás no baralho,
Tens o apoio do pessoal do talho,
E já dizia o Futre “É para ganhar, caralho!!” x2

E para ajudar a levantar o caneco,
Vai lá estar o Deco, o mágico de chuteiras,
Que nunca começa o jogo sem enfardar uma alheira.

Vamos aviar tudo no caminho prá final,
Leitão, porco, borrego, vai ser tudo baril,
E não estamos a falar do Madaíl.
Venham os bifes, que os fazemos em picadinho,
Venham os dos tangos, mesmo com Ricardo não vai haver frangos,
E nem a malta do Brasiu com a sua manha, nos vai fazer a nós o que fazemos à picanha

Vai Portugal, mostra que és o ás no baralho,
Tens o apoio do pessoal do talho,
E já dizia o Futre “É para ganhar, caralho!!” x2

3 comentários:

  1. Um hino assim, já devia ter sido inventado...
    Quais ais, nem meios ais.

    ResponderEliminar
  2. Ah, até se me arrepiou a alma!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.