29.6.05

Circus, Circus

Sei que não é de agora, mas só agora tomei consciência de que existem ainda umas quantas estações de Metro que têm plantados no seu interior vendedores de pipocas. Tudo bem, para muitos, o Metro é um verdadeiro circo, mas isto pareceu-me um conceito algo exagerado.
Mas então pensei melhor e, verifiquei que há de facto um vasto potencial circense no Metro:

- domadores de cavalos (ou pelo menos do seu cheiro)
- mágicos que fazem desaparecer carteiras e respectivas partenaires (ou pelo menos senhoras que se veste como se o fossem…)
- hipnotizadores que com o seu olhar fixante tentam hipnotizar decotes alheios,
- equilibristas que com os olhos fechados, mantêm o equilíbrio em pé nas suas viagens matinais e resistem aos mais pujantes encontrões
- contorcionistas que conseguem enfiar os seus dedos em locais inimagináveis do seu próprio corpo
- atiradores de facas (que por meio de um corta unhas, atiram destemidamente perigosos projécteis)
- animais selvagens e exóticos (incrivelmente alguns são muito parecidos, em termos de comportamento, com seres humanos, nem que seja por breves segundos)
- palhaços com fartura
- crianças excitadas (e, por vezes, adultos excitados…)
- potenciais engolidores de fogo (portanto actuais engolidores de álcool)
- Ocasionalmente, mulheres barbudas

Sem me esforçar muito, juntei aqui um lote que faria inveja a qualquer Cardinali da nossa praça, pelo que compreendi de imediato o propósito das pipocas: se vais levar com eles, pelo menos aprecia o espectáculo de barriga cheia.

Mal posso esperar pelo final da tarde para mais uma sessão…

22.6.05

Orientam-se ai uns trocados?

Jorge Sampaio procedeu a alguns comentários "menos abonatórios" sobre as instituições bancárias e a sua relação com o endividamento dos portugueses, que se enterram até ao tutano para comprar mais alguma coisinha.

A primeira contra medida apresentada de imediato pelos responsáveis visou exactamente o nosso Presidente da República:

"Já estávamos habituados à sua interminável prosa do Dr. Jorge Sampaio, mas a partir de hoje ficou claramente definido, não podemos dar crédito ao que este senhor diz. Sabemos que não é muito, mas sempre é um princípio..." - disse um simpático responsável de um grupo bancário português, enquanto acendia o seu charuto com uma nota de 500 Euros.

As lojas de penhores e o sector dos agiotas também se mostraram favoráveis em relação ao teor das declarações de Sampaio:

"É tempo de dar dinamismo ao nosso sector e acabar com as máfias industrializadas do crédito. A arte do endividamento e concessão de crédito deveria voltar ao tradicionalismo e às cobranças dificeis através de violência física que sempre defendemos" - foram estas as palavras de um entusiasmado Manuel "Garrote", presidente do SAN (Sindicato de Agiotas Nacionais), enquanto espancava Dona Guilhermina Silva, 68 anos, ao que parece por esta ter 2 semanas de atraso no pagamento do crédito para uma prótese dentária.

16.6.05

Sinal dos tempos

Quando era um petiz, há já algum tempo, lembro-me de estar na praia com o meu pai e ele apontar lá bem ao longe, no mar, um arrastão que se deslocava vagarosamente.
Pelo que vi, hoje em dia as coisas são diferentes, o arrastão aparece é na praia, desloca-se rapidamente e não é o teu pai, mas sim um mitras mal encarado que te aponta alguma coisa (possivelmente uma naifa), não para contribuir para a tua educação, mas sim para a riqueza pessoal dele.

Estamos sempre a aprender…

3.6.05

Uma questao de peso

Chega sempre uma altura, seja nos homens ou nas mulheres, em que surge a pergunta: "Estarei gordo/a?"

A minha chegou estou fim de semana, quando nos Pasteis de Belém, ao pedir uma dúzia de pasteis ao balcão, o gajo me responde "É para comer agora?"

O meu lado positivista disse: "Não te preocupes, foi apenas uma questão formatada pela profissão do indivíduo em causa" (reparem no léxico enriquecido do meu lado positivo)

O meu lado negativo disparou: "Minha lontra, larga os pasteis e vê se mexes essa peida"
(bastante mais rude, este meu lado negativo)


Moral da história: Mande sempre outra pessoa comprar Pasteis de Belém.