20.5.05

Festival da Cançao - A Mafia de Leste esta em todo o lado

Eu sempre soube que por detrás da queda da URSS, haveria muito mais do que a história da "Perestroika" e da abertura ao regime ocidental e blá, blá blá. Nos últimos anos a resposta tem-se tornado evidente: o domínio do Festival da Canção. Cansados do folk popular russo e da mítica balalaika, os últimos dirigentes soviéticos há muito que já deviam cobiçar tão apetecível montra de talentos e músicas que ficam para sempre na cabeça, tal como a mancha de Gorbachev.

E com a criação de milhentas repúblicas que vão desde as conhecidas Estónias, Letónias, Ucrânias e afins, aos inenarráveis Turquemenistões, Quirguizistões, Uzbequistões e outros palavrões chatos como os co...(complete consoante a sua formação moral) o plano ficou pronto.

Cada uma dessas repúblicas vota em todas as outras, e por aí em diante, dando origem a uma bola de neve que, possivelmente em esquema de rotatividade, assegura a vitória a um desses representantes da ex-URSS. Como é óbvio, na maior parte dos casos (99,9%) a qualidade musical não interessa até porque, curiosamente, muitas dessas vezes ela pura e simplesmente não existe. Seja o grupo de rockeiros pseudo modernistas, que baseou o seu look nos Scorpions (e infelizmente a sua música também), ou um lote de freaks e bonecas de leste que passam por aqueles palcos, todos eles não passam de fantoches, e como toda a gente sabe, fantoches não cantam...

O que é que isso tem a ver com o facto de, invariavelmente, a prestação portuguesa ser uma grande merda? Rigorosamente nada.

O que é que eu mudaria na participação portuguesa? Apostar no único factor que ao longo dos séculos se manteve como o bastião de qualidade lusitana no Festival da Canção, ou seja, pôr o Eládio Clímaco a cantar. Sim, porque ao menos se poupavam uns trocos e o gajo que relata o evento, cantaria também...O resultado seria provavelmente o mesmo, mas pelo menos o pessoa sempre se ria um bocado.

No entanto, em jeito de despedida, gostaria de deixar uma palavra ao duo lusitano que nos representou ontem e, ao que parece, se esqueceu que o Festival era da Canção e não da Pantomima: Cebolas

2 comentários:

  1. O formato Festival da Canção está tão batido que só apetece correr os concorrentes ao pontapé.

    ResponderEliminar
  2. Creio até, que esse deveria ser o prémio oficial...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.