1.2.05

Sabedoria do Dia a Dia

Creio ter intimidado o Bonzinho e o Vilãozinha com a minha entrada de rompante, mas também se queriam entradas de fininho pelas traseiras tivessem falado com o Castelo Branco. Mas adiante, porque as palavras que se seguem, embora não sejam novidade, são plenas de sabedoria...

Caso não saibam, valorizo cada viagem na Carris e Metro como se fosse a última, já que se aprendem nos apinhados autocarros e carruagens, algumas pérolas de sabedoria que duram a vida inteira.
Numa das minhas jornadas num desses autocarros, tive a oportunidade de testemunhar um interessante diálogo entre mãe e filho, de família. Diz o petiz, de cerca de 10 anos, para a mãe:

- Mãe, sabias que as mulheres são como as batatas?
- Então??
- Ou se comem descascadas ou a murro. Eh, eh!

A senhora achou muita piada à graçola e riu-se bem alto, enquanto acrescentava:
- Ai filho, não sei onde vais buscar essas ideias…

Sentado de frente para eles e observando que à senhora lhe faltavam uma boa parte dos dentes da frente, eu até arriscava um palpite…

3 comentários:

  1. Fraquinho ehehehe

    Já te vi fazer bem melhor, mas ao menos tás de regresso ao activo :)

    ResponderEliminar
  2. tá fixe... mui fixe sim senhor

    ResponderEliminar
  3. Amigo, aconselho-te o regresso ao chumbo... Talvez a música com que aqui nos presentearam, fazendo recordar os minutos prévios dum qualquer duelo, tenha o efeito que a circunstância exige: deserto total... Só cá está o Mau!!
    O Bom deve estar abraçado à mulher e aos filhos, dentro de casa, rezando fervorosamente.
    Quanto ao Vilão, observa a cena, impávido, sem interferir, à porta do saloon; com uma mão segura o cigarro nojento, revestido a lama e, com a outra, a trabalhadora independente mais arrogante do local...
    As saudades que eu tenho dos índios!! Perdão, nativos....
    Carmencita

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.