10.11.04

"Se acha que o que eu disse foi para si, peço desculpa"


Anteontem, na academia da lagartagem em Alcochete, Roca disse ao merceeiro "se acha que o que eu disse foi para si, peço desculpa", estabelecendo assim um novo e astuto cânone no género do insulto, que cedo se alastrou a outras esferas da sociedade portuguesa. Ontem, em reunião de ministros, o ministro da Defesa sentiu-se ofendido quando o seu homólogo do Ministério das Gomas e Delicatessens disse "vai-te foder, meu larilas de merda". Como quem não se sente não é filho de boa gente, o ministro confrontou o teor da frase com o seu autor e obteve como resposta um "se acha que o que eu disse foi para si, peço desculpa". Cruel. Mas o novo estilo insultuoso de Roca já galgou fronteiras, e já é conhecido nos Estados Unidos como "quick wit bashing roca style". O presidente George W. Bush foi o primeiro a sentir toda a intensidade deste novo género quando um dos seus assessores de imprensa disse "vai mamar na pila do teu pai redneck do caralho eu só te aturo porque ganho 50.000 dólares por ano meu grandessíssimo cara de pila babuíno filho da puta". Como Bush é um homem razoável, antes de sacar a pistola do coldre inquiriu o autor destas gravíssimas acusações acerca do seu significado, recebendo como resposta um "se acha que o que eu disse foi para si, peço desculpa". A polícia e o FBI nada conseguem adiantar por enquanto acerca do paradeiro de Peter McMinet, assessor de imprensa da Presidência, dado como desaparecido pela esposa, Vulva McMinet.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.