8.3.04

1º dia de filmagens do filme "Os Imortais", de António Pedro Vasconcelos


08:00 - Joaquim de Almeida é o primeiro a chegar. Hoje o Lux fechou tarde.

08:30 - Confuso por só estar lá ele, Joaquim dirige-se ao Kremlin. Pode ser que encontre lá alguém que lhe faça lembrar alguém.

10:00 - Joaquim volta do Kremlin. Ainda só está lá ele. Detesta pessoas que chegam atrasadas. Dirige-se para Alcântara. Com sorte, nas roulotes, encontrará alguém que lhe faça lembrar alguém.

11:30 - Não conseguindo encontrar as roulotes, Joaquim volta ao local das filmagens convencido que o resto do pessoal já lá está. Como ele odeia pessoas que chegam atrasadas. Faz um post-it mental assinalando a intenção de se queixar ao resto do pessoal do filme sobre a falta de pontualidade. Queima o dedo a acender um cigarro e olha para a rua com ar melancólico. Se ao menos ele soubesse onde vive...não há de ser nada. Decide esperar pelos mal-educados que já deviam ter chegado.

13:30 - Joaquim acorda sobressaltado. Que desagradável que é, isto que lhe está a bater na cara. E provoca-lhe suores! Faz o segundo post-it mental: para a próxima vez vou tentar adormecer à sombra. Como ele está furioso! É triste olhar para o nosso carro, saber que temos as chaves num dos bolsos e não as conseguirmos encontrar, pensa Joaquim. Acomoda-se melhor, desta feita à sombra, e vocifera impropérios dirigidos aos seus colegas pouco profissionais.

16:00 - Ah, foi tudo um sonho mau, pensa Joaquim, enquanto as gotas de água lhe escorrem pelo rosto. Está na sua casinha a tomar um magnífico duche. Decide abrir os olhos mas rapidamente os torna a fechar. Terceiro post-it mental: nunca tinha visto a pila dum cão tão de perto, conclui Joaquim. Levanta-se para desentorpecer as pernas e fica desagradado por ter as calças húmidas a roçarem-lhe na pele. Aos poucos começam a chegar carros. Joaquim acha inadmissível toda a gente chegar atrasada exactamente ao mesmo tempo. Até parece combinado. As pessoas olham atónitas para ele enquanto faz um discurso sentido e emocionado sobre a importância da pontualidade e do profissionalismo.

16:30 - Nicolau Breyner chega ao local de filmagens e envolve-se numa discussão com Joaquim de Almeida, ao que parece, por este lhe ter dito que ainda conseguiu chegar mais atrasado que os outros todos. Nicolau, depois de lhe tentar explicar de diversas maneiras que nem sequer ia filmar nesse dia e que só lá ia dar um abraço ao pessoal, dirige-se a António Pedro Vasconcelos e pergunta-lhe de que é que o Joaquim está a falar.

19:00 - Joaquim aparenta serenidade. Nicolau aproveitou para ficar pois há muito que não se ria tanto. APV explicou-lhe que a equipa toda, como combinado, havia chegado ao local de filmagens às 16:00, e que tinham encontrado o Joaquim já naquele estado, perfeitamente tresloucado. Enquanto esperavam que Joaquim se recompusesse, Nicolau aproveitou para filmá-lo com uma handycam que alguém lhe emprestou. Mais tarde explicou a APV que as imagens que captou de Joaquim constituiriam extras fantásticos para uma futura edição em DVD do filme.

19:30 - Joaquim dirige-se a APV e diz-lhe que está pronto para a sua primeira cena. Foram estas as suas exactas palavras: "Sempre quis trabalhar contigo, José! Tu para mim pá, sempre foste o melhor realizador português de todos os tempos!" Nesta altura, Maria Rueff não se aguenta e mija-se pelas saias abaixo, o que foi extremamente desagradável mas ao mesmo tempo encarado como um sinal de solidariedade para com Joaquim e a sua incontinência. As pessoas tentam convencer Joaquim de que o realizador do filme não é José Fonseca e Costa. Joaquim refuta os argumentos, dizendo para não o enganarem: "Calem-se pá, aqueles caracóis do Zé são inconfundíveis!"

20:00 - APV começa a pensar no que poderia ter feito com os 30.000 contos que o Joaquim recebeu.

22:00 - Nicolau lembra-se de telefonar a José Fonseca e Costa para aparecer e tentar dissipar as dúvidas do Joaquim. Sensatamente, alguém demoveu o Nicolau dessa ideia, alegando que seria demais para o Joaquim e que temiam que ele não aguentasse o choque. Afinal de contas já lhe tinham pago e tinham mesmo de fazer o filme.

23:00 - Agora é que é! As câmaras começam a filmar. Joaquim aparenta algumas dificuldades, mas como profissional que é, não desiste.

00:00 - Alguém atenta no facto de que não se percebe um caralho do que o Joaquim diz. Para além de estar completamente ébrio, parece falar num idioma que só ele entende. Nicolau, que já havia trabalhado com ele num filme em que causou poucos estragos e estava confinado a uma cadeira de rodas, sugere a APV que usem mais amplificadores vocais no Joaquim. "Ainda bem que não te foste embora", disse APV ao Nicolau. Este respondeu-lhe que "temos de ser uns para os outros".

00:30 - Sucesso! O Joaquim já se ouve perfeitamente. Mas nem tudo são rosas! Parece que afinal ele não está a seguir o guião e murmura palavras e frases sem qualquer sentido.

03:00 - APV, um tanto desesperado por verificar que a primeira cena de Joaquim já vai no take 345, decide aproveitar tudo o que Joaquim disse e dá os trabalhos do dia por encerrados. À laia de precaução, conclui que é melhor ir para casa reescrever o guião para poder aproveitar as cenas do Joaquim. Sabe-se lá se o gajo alguma vez estará sóbrio, pensa o atormentado realizador.

03:30 - Joaquim dirige-se a um canto para para fazer chichi. A sua pila parece-lhe pesada e julga ver um testículo a mais. Oh, que agradável surpresa, pensa o Joaquim. Já pode ir para casa. Só não percebe como é que o porta-chaves ali foi parar.


Em breve continua o relato das filmagens.

2 comentários:

  1. Gosto sempre de ler o primeiro post.
    Pronto... era só isto.
    (Quer dizer, isto dava grande conversa mas não vale a pena estar aqui com pseudo-filosofo-psicologias sobre o assunto. Mas lá que é um exercício engraçado, isso é!).
    (Já agora... Sinto-me estúpida por nunca aqui ter vindo. Cheguei apenas hoje. Espero não vir tarde).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais do que a tempo.

      Mas ao tempo que eu próprio não vinha aqui. Tanto que este post ainda é do tempo em que eu não passava o tempo a escrever sozinho.

      Resumindo, este post não é meu, mas é ao espírito da casa :)

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.